Empresa citada em áudio vazado já recebeu mais de R$ 2 milhões da PMJP

Um das empresas citadas no áudio vazado de uma reunião entre o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PV), e os secretários da Sáude e Desenvolvimento Social, Adalberto Fulgêncio e Diego Tavares, a RTS Rio, já recebeu mais de R$ 2 milhões da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP).

“A Kairós é um cinto de segurança, acho que aquele ‘caba’ não é… a gente pode falar. Tem aquele ‘caba’ do Rio de Janeiro da RTS, lembra?”, afirma o secretário de saúde, enumerando empresas.

+ Cartaxo, Fulgêncio e Diego são flagrados supostamente negociando propina

+ Saiba o que é ’00’ e ’25’ do áudio da reunião entre Cartaxo e secretários

+ Em reunião com Cartaxo, secretário sinaliza que esquema funcionaria desde 2016

De acordo com o Sistema de Acompanhamento da Gestão dos Recursos da Sociedade (Sagres), do Tribunal de Contas do Estado (TCE), foram pagos mais de R$ 2 milhões à empresa através do Fundo Municipal de Saúde, que é gerido por Fulgêncio.

A RTS Rio é uma empresa especializada na venda, locação e assistência técnica autorizada de equipamentos hospitalares.

Foram pagos os seguintes valores: R$ 432 mil (2018); R$ 432 mil (2017); R$ 352 mi (2016); R$ 424,8 mil (2015); e R$ 372.6 mil (2014).

Confira dados do Sagres:

Entenda o caso

O prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PV), e os secretários Adalberto Fulgêncio e Diego Tavares, das Secretaria de Saúde e Desenvolvimento Social respectivamente, foram flagrados em um áudio supostamente negociando propina. Possivelmente a reunião aconteceu durante o período eleitoral do ano passado. O áudio foi divulgado na quinta-feira (28), na coluna de Wellington Farias, no portal PB Agora. Ouça áudio na íntegra:

Comente