Vereador preso na Famintos vai disputar mais uma vez eleição para Câmara de CG

Parlamentar foi preso em 22 de agosto de 2019 e condenado a uma pena de 36 anos e 10 meses. Em 19 de setembro do mesmo ano, ele teve habeas corpus concedido

O vereador de Campina Grande, Renan Maracajá (PSDC), que foi preso durante a Operação Famintos, anunciou sua pré-candidatura para concorrer novamente a uma vaga na Câmara da cidade.

+Operação Famintos: vereador de CG e mais 15 são condenados à prisão; veja lista

Ele anunciou sua pré-candidatura através das redes sociais. Veja postagem:

 

Renan Maracajá foi preso em 22 de agosto de 2019 e condenado a uma pena de 36 anos e 10 meses, sendo 22 anos e 10 meses de reclusão e 14 anos de detenção. Em 19 de setembro do mesmo ano, o parlamentar teve habeas corpus concedido pela terceira turma do Tribunal Regional Federal, em Recife. Ele voltou a participar das sessões da Câmara de Vereadores de Campina Grande no dia 08 de setembro de 2019.

+Vereador de Campina Grande é um dos presos da segunda fase da Operação Famintos em CG

Além da prisão, a Justiça também determinou que fosse pago pelo parlamentar 788 dias multa, no valor de cinco salários mínimos que em 2019 era R$ 998,00, e 5% do valor de cada contrato celebrados através das licitações fraudadas.

Operação Famintos

A Operação Famintos foi desencadeada no dia 24 de julho em Campina Grande e outras cidades da Paraíba em uma ação conjunta entre a Polícia Federal, Ministério Público Federal e Controladoria-Geral da União, que investigaram um suposto esquema de desvios de recursos federais do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), geridos pela Prefeitura de Campina Grande, que geraram um prejuízo aos cofres público de mais de R$ 2,3 milhões.

+Gestão Romero ignora decisão judicial e mantém servidores investigados na operação ‘Famintos’

Comente