- Publicidade -
Cotidiano

Trabalhadores são resgatados em situação análoga à escravidão na PB

Eles enfrentavam calor e umidade e o risco constante de desabamento; além de não ter acesso a água potável, nem banheiros

Uma operação resgatou 12 trabalhadores que atuavam na extração de caulim na cidade de Salgadinho, no Sertão da Paraíba. Os trabalhadores estavam em condições análogas à escravidão, de acordo com informações publicadas no Blog do Sakamoto, da Folha de São Paulo.

- Continua depois da publicidade -

A auditora fiscal do trabalho que coordenou a operação, Gislene Stacholski, declarou que os resgatados enfrentavam condições degradantes de trabalho. Eles eram descidos por cordas, em poços abertos no solo, até profundidades de 40 a 60 metros da superfície sem qualquer equipamento de proteção individual ou segurança.

Os trabalhadores ainda enfrentavam calor e umidade e o risco constante de desabamento para explorar o mineral branco. Não havia água potável, nem banheiros. Ganhavam entre R$ 500,00 e R$ 600,00 mensais. A operação contou com a participação de auditores fiscais do trabalho, do Ministério Público do Trabalho, da Defensoria Púbica da União e da Polícia Rodoviária Federal.

A equipe de fiscalização está analisando outros corresponsáveis pela exploração dos trabalhadores e, portanto, a informação sobre os empregadores será revelada posteriormente para não atrapalhar as investigações.

O caulim é um mineral inerte, usado na indústria de borracha, papel, plásticos, pesticidas, rações, produtos farmacêuticos, entre outras. As informações são do ClickPB.

Comente

Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
Facebook, Twitter e Youtube.

Interaja com o Paraíba Já:
E-mail: [email protected] | WhatsApp: (83) 98176 - 1651

Redação Paraíba Já

Fundado em maio de 2010, o Paraíba Já é um portal de notícias sediado em João Pessoa (PB), que tem compromisso com a verdade, fazendo um jornalismo de qualidade e relevância social.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar