O presidente da Federação das Indústrias da Paraíba (Fiep-PB), Buega Gadelha, foi afastado do cargo após determinação da Justiça Federal em Pernambuco. De acordo com a assessoria do órgão, Buega está, inclusive, impedido de se aproximar da instituição até o fim das investigações. A decisão foi do juiz substituto da 4ª Vara, Cesar Arthur Cavalcanti de Carvalho.

Buega foi preso em Brasília pela Polícia Federal, enquanto a sede da Fiep em Campina Grande foi alvo do cumprimento de mandados de busca e apreensão nesta terça-feira (19), pela Operação Fantoche.

O juiz federal Cesar Arthur acolheu o pedido de derrubar a prisão temporária dos investigados Hebron Costa Cruz de Oliveira, Ricardo Essinger, Robson Braga de Andrade, Francisco de Assis Benevides Gadelha (mais conhecido como Buega Gadelha) e José Carlos Lyra de Andrade.

Apesar de colocar os investigados em liberdade, todos eles estão proibidos de assumir as funções de dirigentes em seus respectivos departamentos regionais. Assim como foi decretada ainda a proibição dos dirigentes de acessar ou frequentar as respetivas entidades a que são ligados.

A operação

O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, e os presidentes das federações das Indústrias de Alagoas (Fiea), da Paraíba (Fiep) e de Pernambuco (Fiepe) foram detidos na manhã desta terça (19) no âmbito da Operação Fantoche, deflagrada em parceria com o Tribunal de Contas da União (TCU).

A operação apura fraudes em convênios do Ministério do Turismo com entidades do Sistema S (Sesi, Senai, Sesc, Senac, Sebrae, Senar, Sescoop, Sest, Senat). Os mandados de prisão e de busca e apreensão foram autorizados pela 4ª Vara Federal de Pernambuco.

Comente