Acusado de tentar matar prefeito em Curral de Cima diz ser vítima de armação

O agricultor Pedro José dos Santos, mais conhecido por Pedrinho, acusado de tentar matar o prefeito de Curral de Cima, Totó Ribeiro, deu a sua versão da história. De acordo com ele, tudo não passou de uma armação para tentar incriminá-lo.

Ele relata que chegou à festa da padroeira da Fazenda Santa Terezinha com amigos e foi urinar atrás do palco, quando viu Totó Ribeiro junto ao prefeito de Lagoa de Dentro, Fabiano Pedro, e pediu à assessoria deste para tirar uma foto – o que foi prontamente solicitado.

“Falei com o assessor de Fabiano Pedro e pedi para tirar uma foto. Ele, humildemente, foi e disse: ‘bora’ e tirou uma foto comigo. Totó Ribeiro quando viu fez um aceno para os seguranças, que me arrodearam, algemaram e me tiraram de perto dele”, afirmou.

Pedrinho diz que foi liberado, mas logo foi imobilizado novamente e algemado, enquanto Totó Ribeiro acionava a polícia. Foi aí que, segundo ele, a faca teria sido “plantada” para incriminá-lo.

“Inventaram uma faca, caçaram e disseram que eu tava ameaçando Totó, sendo mentira. Fui para a delegacia algemado, dentro da viatura, para a Delegacia de Mamanguape”, prosseguiu.

Ele conta que o delegado o liberou após constatar a falta de materialidade na acusação do prefeito e que, após isso, foi para o Hospital Geral de Mamanguape fazer exame de corpo de delito.

Não é a primeira vez que os dois se desentendem. Pedrinho diz que tudo começou quando o prefeito, Totó Ribeiro, o acusou de mandar áudio em um grupo o chamando de ladrão – fato este que Pedrinho nega com veemência, explicando que se o mesmo existisse, ele já teria sido processado pelo gestor.

Comente