TV Globo: PGR abre inquérito para investigar Cunha, Manoel Júnior e mais três deputados

4

O Jornal Nacional, da TV Globo, exibiu em rede nacional, na noite desta segunda-feira (2), reportagem informando que o deputado federal Manoel Júnior (PMDB-PB) é um dos investigados em novo inquérito aberto pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

De acordo com a TV Globo, Manoel Júnior e mais três parlamentares integram a “tropa de choque” do presidente da Câmara do Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Todos eles estão sendo investigados por crimes de corrupção ativa, passiva e lavagem de dinheiro.

Assista abaixo a reportagem exibida no Jornal Nacional:

Leia abaixo a matéria completada postada no site do Jornal Nacional:

Procuradoria abre novo inquérito para investigar Cunha e seus aliados

A Procuradoria-Geral da República abriu um novo inquérito para investigar o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, e um grupo de aliados dele – deputados e ex-deputados.

A aliança desses deputados com Eduardo Cunha ficou explícita no Conselho de Ética da Câmara. Os aliados dele têm feito de tudo para adiar qualquer decisão sobre o processo que pode levar à cassação do mandato.

No final de semana, o jornal “Folha de S.Paulo” mostrou que o Supremo Tribunal Federal abriu um novo inquérito contra Cunha. E junto com o presidente da Câmara também vai ser investigada parte da chamada “tropa de choque” dele por crimes de corrupção ativa, passiva e lavagem de dinheiro.

São citados no inquérito os deputados Manoel Júnior e Altineu Côrtes, do PMDB; André Moura, do PSC; Arnaldo Faria de Sá, do PTB; e os ex-deputados Alexandre Santos, João Magalhães, Nelson Bornier e Solange Almeida, do PMDB, e Carlos Willian, do PTC.

Eduardo Cunha é agora alvo de três inquéritos e de duas denúncias no Supremo Tribunal Federal. Em uma delas, virou réu. Nesse novo inquérito, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirma que aliados do presidente apresentaram mais de 30 requerimentos de convocação, solicitação de documentos e pedidos de auditorias em diversas comissões da Câmara, inclusive na CPI da Petrobras, para pressionar o grupo empresarial Schahin e beneficiar o doleiro Lucio Funaro, aliado de Cunha, que também vai ser investigado.

O presidente da Câmara, segundo Janot, mobilizou os aliados para favorecer os interesses de Lucio Funaro por causa de uma disputa com o grupo Schahin. O conflito começou com a construção da hidrelétrica de Apertadinho em Rondônia.

O grupo Schahin foi contratado pela empresa Cebel, Centrais Eletricas Belém, para fazer a obra da hidrelétrica. Houve um acidente: uma barragem se rompeu, provocando uma disputa judicial.

Lucio Funaro, representando a Cebel, cobrou o prejuízo da Schahin no valor de R$ 1 bilhão. E, para conseguir o pagamento, teria contado com ajuda do presidente da Câmara para pressionar a Schahin. Funaro, segundo a investigação, pagou para Eduardo Cunha, por meio de três empresas, dois carros, no total de R$ 180 mil, em 2012.

O deputado Eduardo Cunha declarou que desconhece o conteúdo do inquérito – e desmente as suposições veiculadas.

O deputado Altineu Côrtes disse que jamais foi aliado do presidente da Câmara e que, dos mais de 170 requerimentos que apresentou na CPI da Petrobras, quatro eram sobre o grupo Schahin.

O deputado Arnaldo Faria de Sá disse que era um dos sub-relatores da CPI da Petrobras e que o requerimento dele foi apresentado em função do trabalho na comissão.

O deputado Manoel Júnior declarou que a apresentação dos requerimentos foi feita dentro da prerrogativa parlamentar e que está à disposição do Ministério Público e da Justiça.

O deputado André Moura disse que respeita qualquer manifestação do Ministério Público e negou ter sido agressivo com os dirigentes do grupo Schahin no depoimento à CPI.

O ex-deputado Carlos Willian disse que todos os requerimentos que ele fez foram legitimados e não tiveram participação ou interferência de Eduardo Cunha.

Nelson Bornier afirmou que, enquanto era presidente da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara, tinha por obrigação apurar a utilização de recursos do BNDES no projeto de construção da usina de Apertadinho.

Nós não conseguimos contato com os demais citados na reportagem.

Comente

Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
Facebook, Twitter e Youtube.

Interaja com o Paraíba Já:
WhatsApp: (83) 99373-4023
E-mail: [email protected]

4 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here