São Paulo registra 272 novas mortes por coronavírus em um dia e passa de 6 mil mortes

O estado de São Paulo registrou mais 272 mortes por coronavírus em um dia e chega a 6.045 mortes pela doença, segundo a Secretaria de Estado de Saúde. O vírus infectou 80.558 pessoas em 505 municípios do estado.

Mais da metade dessas pessoas infectadas é da capital paulista. Até o último balanço da Prefeitura, na quinta-feira (21), a capital tinha 3.252 mortes e 44.516 infectados. Embora a capital paulista ainda concentre a maioria dos casos, estudos realizados pelo governo mostram que a doença tem avançado de forma acelerada para o interior e litoral.

Segundo a Secretaria de Saúde, há 11,9 mil pacientes internados no estado, sendo 4.674 em UTI e 7.242 em enfermaria. Até o momento, já ocorreram 15.981 altas.

A taxa de ocupação dos leitos de UTI reservados para atendimento a Covid-19 é de 73,7% no estado e 89,2% na Grande São Paulo.

Perfil das vítimas

Entre as vítimas, 3.558 são homens e 2.487, mulheres. A maior parte das mortes, 72,9% , foram de pacientes com 60 anos ou mais.

Os principais fatores de risco associados são cardiopatia (58,7% das mortes), diabetes mellitus (43,3%), doença neurológica (11,3%), doença renal (10,4%) e pneumopatia (9,6%). Em menor número, foram também identificados outros fatores como imunodepressão, obesidade, asma e doenças hematológica e hepática.

Pandemia pode seguir até outubro

Dimas Covas, coordenador do Centro de Contingência da Covid-19, disse nesta sexta-feira (22) que se o isolamento social não for superior a 70% nos próximo dias, a pandemia do coronavírus vai se prolongar até outubro deste ano em São Paulo.

“Se nós tivéssemos um índice de isolamento superior a 70%, essa epidemia ela estaria sob controle. No ritmo atual, não estamos chegando a 55% como mostram as projeções médias, vamos dizer assim, essa epidemia vai se prolongar. Ela vai além de agosto, setembro e provavelmente poderá chegar até outubro”, disse Covas.Segundo ele, a curva continua crescendo, atingido velocidade.

“E essa velocidade se aproxima do seu máximo como será nos próximos dez dias, próximos quinze dias, pelo menos essa é a previsão. E nós estamos aí num impasse. As medidas de isolamento social que já foram maiores lá no fim de março, começo de abril, hoje ainda estão muito aquém do que seria necessário para frear essa velocidade”, disse o coordenador.

“Mesmo com as medidas do feriado, que é importante, nós chegamos a um nível de 52% na Região Metropolitana, 48% no interior, e já tivemos aqui no estado de São Paulo 56%, 57% de isolamento.”

Do G1.

Comente