Publicidade
Cotidiano

Paraíba é o quarto estado onde policiais menos matam no Brasil

Estado fica atrás apenas de Rondônia, Distrito Federal e Tocantins - todos apresentam populações menores

A Paraíba é quarto estado do Brasil onde menos ocorreu mortes (0,7) de pessoas em decorrência de ações de policiais militares ou civis. O estado fica atrás apenas de Rondônia, Distrito Federal e Tocantins – todos apresentam populações menores. De acordo com o Monitor da Violência, do G1, foram 29 mortes em 2018.

- Continua depois da publicidade -

No Nordeste, a Paraíba é o estado onde menos ocorreu mortes por policiais. Na região, Sergipe (6,3) lidera o ranking. Seguido por Bahia (5,4), Alagoas (4,9), Rio Grande do Norte (3,9), Ceará (2,4), Pernambuco (1,2), Maranhão (1,0) e Piauí (0,8). Reiterando, o estado apresentou uma taxa de apenas 0,7 no ano passado.

Em 2017, a taxa também foi de 0,7 no estado. A taxa é calculada com uma projeção de “a cada 100 mil habitantes”.

Confira ranking nacional de mortos por policiais:

  1. Rio de Janeiro – 8,9
  2. Pará – 7,2
  3. Sergipe – 6,3
  4. Goiás – 6,1
  5. Bahia – 5,4
  6. Amapá – 5,3
  7. Alagoas – 4,9
  8. Roraima – 4,3
  9. Rio Grande do Norte – 3,9
  10. Paraná – 2,8
  11. Ceará – 2,4
  12. Acre – 2,4
  13. Mato Grosso – 2,2
  14. São Paulo – 1,9
  15. Mato Grosso do Sul – 1,7
  16. Santa Catarina – 1,4
  17. Rio Grande do Sul – 1,2
  18. Amazonas – 1,2
  19. Pernambuco – 1,2
  20. Espírito Santo – 1,2
  21. Maranhão – 1,0
  22. Piauí – 0,8
  23. Minas Gerais – 0,7
  24. Paraíba – 0,7
  25. Rondônia – 0,5
  26. Distrito Federal – 0,3
  27. Tocantins – 0,2

O mapa mostra taxas de mortes de pessoas por policiais militares e civis em cada um dos estados. Os dados são do G1, e seguem o mesmo padrão metodológico do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Veja:

Comente

Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
Facebook, Twitter e Youtube.

Interaja com o Paraíba Já:
E-mail: [email protected] | WhatsApp: (83) 98176 - 1651

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar