Justiça revoga medidas cautelares de ex-dirigentes do Botafogo-PB

O ex-presidente do Botafogo-PB, Zezinho Botafogo, e mais três ex-dirigentes do clube tiveram algumas medidas cautelares, a eles impostas, revogadas pela Justiça nessa quinta-feira. Dessa maneira, os ex-dirigentes não precisam mais pedir liberação para viagens, nem se recolher para seus domicílios no período noturno, das 21h às 5h.

Além de Zezinho, foram beneficiados pela decisão judicial o ex-vice-presidente do clube, Guilherme Novinho, o ex-vice-presidente jurídico, Alexandre Cavalcanti, o ex-diretor executivo do Belo, Francisco Sales, e o empresário de jogadores Alex Fabiano, que é de Alagoas.

Todos seguem, no entanto, tendo que cumprir a medida cautelar que os impedem de frequentar entidades desportivas, como por exemplo as sedes do Botafogo-PB e da Federação Paraibana de Futebol (FPF), além dos jogos do clube.

No último dia 26, houve a primeira audiência desse processo, que é decorrente das investigações da Polícia Civil e do Ministério Público (MP) na Operação Cartola, que apurou supostos crimes de manipulação de resultados, organização criminosa e falsidade ideológica. Na audiência, apenas três testemunhas de acusação se fizeram presentes no fórum. O MP, no entanto, dispensou as testemunhas.

No processo em que esses quatro ex-dirigentes do Botafogo-PB são réus, eles são acusados de supostamente terem fraudado a súmula da partida Botafogo-PB x CSP, válida pelo Campeonato Paraibano de 2018. As informações são do GloboEsporte.com PB.

Comente