Deputado paraibano critica redução do salário mínimo e tacha Temer de gângster; ouça

O deputado estadual Anísio Maia (PT) acusou, nesta terça-feira (31), o presidente Michel Temer (PMDB) de governar o Brasil para os ricos, em detrimento das camadas mais pobres. Ao comentar a decisão do Governo Federal de baixar novamente a previsão para o salário mínimo de 2018, passando de R$ 969 para R$ 965, o parlamentar aproveitou para tachar o peemedebista de gângster.

“Temer não está só, gente. Só existe Temer porque têm quase 300 deputados acobertando Temer, votando nas propostas de Temer, deixando Temer livre; apesar de ser pego com uma mala de dinheiro. Na verdade, desse povo se espera tudo, inclusive diminuir o reajuste do salário mínimo. Portanto, tudo que eles disseram tratou-se de uma grande mentira e agora o Brasil virou um festival de maldades contra o pobre, porque os grandes estão muito bem de vida… É uma gangue instalada no Palácio (do, que o povo precisa varrer o mais depressa possível”, disparou Anísio durante entrevista concedida à imprensa, nesta manhã, na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB).

A estimativa para o salário mínimo do próximo ano já havia sido reduzida em agosto, de R$ 979 para R$ 969. Atualmente, o salário mínimo está em R$ 937. Cerca de 45 milhões de pessoas no Brasil recebem salário mínimo, entre aposentados e pensionistas, cujos benefícios são, ao menos em parte, pagos pelo governo federal.

Com o salário mínimo menor, portanto, o governo economizará nas despesas com o pagamento desses benefícios. A expectativa do Ministério do Planejamento é de economizar R$ 1,2 bilhão com a revisão do salário mínimo para baixo.

Comente