Covid-19: apenas duas cidades da Grande JP seguem com bandeira laranja

Conforme o Governo do Estado, 23 municípios estão sob 'bandeira verde', e podem retornar completamente com as atividades econômicas e sociais

Na Região Metropolitana de João Pessoa, somente Bayeux e Santa Rita mantiveram-se sob bandeira laranja, as demais cidade como a capital, Cabedelo e Conde, progrediram na classificação. Além das duas, mais 16 municípios também estão sob bandeira laranja. A classificação é feita pelo Governo do Estado com intuito de orientar o plano de retomada gradual das atividades nos municípios.

+ Paraíba passa de 60 mil casos e chega a 1.250 mortes por Covid-19 neste sábado

Nos municípios sinalizados com bandeira laranja, podem funcionar atividades essenciais, como agropecuária; cadeia produtiva e atividades acessórias essenciais; bancos, casas lotéricas, correspondentes bancários e seguradoras; empresas de telecomunicação, comunicação e imprensa; distribuidoras e geradoras energia, atividades de extração, produção, siderúrgica e afins; transporte, armazenagem, empresas de logística, Correios e manutenção de veículos automotores; supermercados e afins; serviços de Saúde; tratamento de água e esgoto e coleta de resíduos; administração pública (observada a adoção regimes home office), além dos já sinalizados com adequações para funcionamento.

23 municípios da Paraíba estão sob ‘bandeira verde’, e podem retornar completamente com as atividades econômicas e sociais, obedecendo novos protocolos sanitários. Os dados são da nova – terceira – classificação do Governo do Estado, que orienta o plano de retomada gradual das atividades nos municípios e o combate à Covid-19. Na primeira classificação apenas uma cidade estava com bandeira verde, na segunda nenhum município conseguiu o índice.

Todos os segmentos da economia e da sociedade podem retomar suas atividades nos municípios: Barra de Santana, Belém do Brejo do Cruz, Cacimbas, Carrapateira, Curral de Cima, Desterro, Joca Claudino, Lastro, Manaíra, Matinhas, Poço Dantas, Salgadinho, Santa Inês, Santana de Mangueira, Santo André, São Domingos, São Francisco, São João do Rio do Peixe, São José de Caiana, São José de Espinhares, São José de Princesa, Tenório e Zabelê.

Nenhum município está sob bandeira vermelha. Na primeira classificação tinham 14, já na segunda foram oito. Com o “sinal vermelho” só podiam funcionar os serviços essenciais.

Ainda conforme a nova classificação, 182 municípios agora estão sob bandeira amarela. São 103 novas cidades nesta faixa com relação à segunda classificação. Dentre elas, João Pessoa, Campina Grande, Alhandra, Bananeiras, Cabedelo, Conde, Guarabira, Lucena, Mamanguape, Monteiro, Patos, Pedras de Fogo, Rio Tinto, Sapé e Solânea.

A cidade de Princesa Isabel foi a única que retrocedeu em sua classificação, foi de amarelo para laranja.

Significado das bandeiras

Nos municípios sinalizados com bandeira laranja e vermelha, poderão funcionar atividades essenciais, como agropecuária; cadeia produtiva e atividades acessórias essenciais; bancos, casas lotéricas, correspondentes bancários e seguradoras; empresas de telecomunicação, comunicação e imprensa; distribuidoras e geradoras energia, atividades de extração, produção, siderúrgica e afins; transporte, armazenagem, empresas de logística, Correios e manutenção de veículos automotores; supermercados e afins; serviços de Saúde; tratamento de água e esgoto e coleta de resíduos; administração pública (observada a adoção regimes home office), além dos já sinalizados com adequações para funcionamento.

Nos municípios com bandeira amarela, funcionam os já autorizados nas bandeiras vermelha e laranja, além de hotéis, pousadas e afins; comércio; shoppings centers; comércio popular (camelôs) e serviços em geral; escolinhas de esporte sem contato físico (natação e tênis, por exemplo).

Todos os segmentos da economia e da sociedade podem retomar suas atividades nos municípios que se encontram na bandeira verde, observando a adoção de protocolos operacionais para funcionamento das diversas atividades, que terão como foco a proteção do indivíduo, que deve passar a viver o ‘novo normal’, fazendo escolhas e evitando o contato entre pessoas; ambientes fechados e confinados e aglomerações, mesmo ao ar livre.

Comente