O novo líder da oposição na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) Bruno Cunha Lima (PSDB) até concordou que é favorável à decisão do Governo do Estado em contratar uma Organização Social (OS) para administrar a infraestrutura das escolas da rede estadual de ensino e dar suporte pedagógico aos professores. Porém, como todo oposicionista, teceu críticas. Não à proposta, apesar de confundir com o modelo atual da gestão pactuada do Hospital de Trauma de João Pessoa, mas contra o governador Ricardo Coutinho (PSB). As declarações foram dadas durante entrevista a uma rádio local, na tarde desta terça-feira (25).

Para ele, que advém de um partido que é recordista em privatizar e terceirizar serviços públicos, contratar OS até dá para aceitar, o problema é quem está fazendo, pois Ricardo é um caso perdido e defeituoso.

“Ricardo tem um empeno no chassi. Ele anuncia que entra para um lado e entra por outro. Ele dá a seta que vai entrar para a direita e entra pela esquerda. Ele é da tese do ‘faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”, desabafou.

Bruno ainda argumentou que a contratação da OS é uma terceirização. Porém, há de se lembrar que não é um modelo de gestão inovador da gestão de Ricardo Coutinho.

“O que Ricardo diz não se escreve. Eu não sou contra a terceirização. Essa é uma movimentação que acontece em todo o país. A Paraíba não seria diferente. O problema é que na última década inverteu-se a lógica de uma estatização de tudo, do inchaço da máquina pública, que o governo brasileiro tem que ser responsável por tudo, de cruzamento de formiga até atracamento de navio, o responsável é o poder público brasileiro. Não é assim. O poder público tem que ser responsável pelas diretrizes básicas da nossa sociedade, como Educação, Saúde e Segurança”, alegou.

Entre a proposta de contratação de OS para gerir a estrutura predial e suporte pedagógico das escolas e o modelo de gestão pactuada do Hospital de Trauma de João Pessoa, há uma diferença gritante. Enquanto a primeira pretende administrar problemas de infraestrutura e de manutenção física da Educação, sem alterar a gerência da direção e do corpo de professores, a segunda é responsável, em sua totalidade, por toda a oferta e administração do serviço. Algo que, aparentemente, Bruno não soube distinguir.

“O problema é que Ricardo subverte isso. Se a terceirização que esse governo faz funcionasse a contento, eu não seria contra. O problema é que nós temos uma prática de terceirização aqui na Paraíba e um péssimo exemplo é a terceirização da Saúde, através do Trauma de João Pessoa. Há muita discrepância de investimentos. Se a terceirização da Educação vier para trazer benefícios, será muito bem-vinda. Mas, entendendo que ao invés de terceirizar, o que o governo deveria era fazer concurso público. Precariedade se acaba no instante que o funcionário é concursado”, defendeu o deputado.

E ainda contestou a história política do governador. “No meio disso tudo, o que é que custa Ricardo Vieira Coutinho receber os setores para discutir a proposta? Ele não discute! Ricardo teve uma formação sindical, Ricardo que foi o maior bravadeiro desse Estado, Ricardo que vivia na Assembleia reclamando que a lei de autonomia da UEPB era pouco. Hoje nem o pouco que foi aprovado ele cumpre”, afirmou.

 

Comente

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here