Você viu? “Foi como se fosse uma faca no meu peito”, diz Dilma sobre deputado da PB

3

Auxiliares da presidente Dilma Rousseff (PT) dizem que ela não escondeu o abatimento quando viu as “traições” na votação da Câmara dos Deputados que autorizou, neste domingo (17), a abertura do processo de impeachment. “Foi como uma faca no meu peito”, disse ela.

Dilma acompanhou a votação na Sala dos Estados do Alvorada, ao lado da Biblioteca. Estava acompanhada do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e de vários ministros.

Ela disse ter ficado “chocada” com o voto do deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), a favor do impeachment. Ribeiro foi ministro das Cidades. Outros ex-ministros, como os deputados Mauro Lopes (PMDB) e Alfredo Nascimento (PR), também apoiaram o afastamento da presidente. Dilma também teria mostrado inconformismo com o fato de o ex-ministro Gilberto Kassab (PSD) e o presidente do PP, senador Ciro Nogueira (PI), terem “virado as costas” para ela no último minuto.

Em conversas reservadas, ministros disseram ao Estado que foi “um erro” o governo ter deixado a reforma ministerial para depois da votação na Câmara. Na avaliação de auxiliares de Dilma, o fato abriu caminho para o vice-presidente Michel Temer (PMDB) investir sobre os deputados de vários partidos aliados e prometer “benesses”.

O “núcleo duro” do governo também diz ter ficado indignado com o fato de ter recebido apenas oito votos do PMDB, que tem uma bancada de 67 deputados e, apesar do rompimento com Dilma, ainda ocupa ministérios. O líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (RJ), prometia entregar à presidente cerca de 20 votos contrários à sua deposição.

Dilma estuda a possibilidade de pedir à ministra da Agricultura, Kátia Abreu (PMDB), que retorne ao Senado para ajudar na articulação política, já que agora o governo precisa conquistar votos naquela Casa para tentar barrar o processo.

Dilma se reuniu com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), a quem pretende pedir ajuda para conseguir derrubar o processo no plenário. Renan e Temer têm disputas internas no PMDB.

Na manhã desta segunda-feira, 18, além de fazer uma avaliação da votação, com checagem do mapa de apoio no Senado, a presidente recebeu os deputados-ministros Marcelo Castro e Celso Pansera. Castro se licenciou do Ministério da Saúde e Pansera, de Ciência e Tecnologia, para votar contra o impeachment. Dilma também agradeceu pessoalmente vários deputados que a apoiaram. Elogiou muito Sílvio Costa (PT do B-PE), que no domingo saiu do plenário chorando, quando soube que a situação do governo era irreversível. Do Estadão.

Comente

Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
Facebook, Twitter e Youtube.

Interaja com o Paraíba Já:
WhatsApp: (83) 99373-4023
E-mail: [email protected]

3 COMENTÁRIOS

  1. Não sei porque a Presidenta Dilma se surpreendeu com o Agnaldo Ribeiro, pois, o que esperar de um neto de assassino covarde como Agnaldo Veloso? Esse nunca devia ter ocupado cargo nenhum no seu governo. Traidores ali, tinha aos montes. O Parlamentar não pensou em nenhum momento no povo e no Brasil, somente em suas famílias, é o que tem feito esses covardes, durante 516 anos. Mas hão de receber o troco nas próximas eleições. Para todos do PT, vai um recado. ” A saída é pela esquerda”.

  2. eu tambem me surpreendei com o Agnaldo Ribeiro, pois, não esperar essa covardia. Esse nunca devia ter ocupado cargo nenhum no seu governo. Traidores ali, tinha aos montes. O Parlamentar não pensou em nenhum momento no povo e no Brasil, somente em suas famílias, é o que tem feito esses covardes, durante anos. Mas hão de receber o troco nas próximas eleições.O POVO TEM QUE ACORDA, E TIRA ESSES BANDIDO DO PODER.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here