MPPB recomenda que prefeito de Cabedelo não flexibilize o isolamento social

Órgão considerou que as atividades indicadas no plano de flexibilização apresentado pelo município não se enquadram nas atividades essenciais descritas nas normas vigentes do decreto estadual

Prefeitura de Cabedelo passa a transmitir licitações ao vivo pela internet
Vitor Hugo, prefeito de Cabedelo - Foto: Divulgação

O Ministério Público da Paraíba expediu uma recomendação, nesse domingo (29/06), para que o Município de Cabedelo se abstenha de flexibilizar o isolamento social. O promotor de Justiça que atua na defesa da saúde, Francisco Bergson Gomes Formiga Barros deu o prazo de 24 horas para o prefeito Vitor Hugo Castelliano se pronunciar sobre as medidas tomadas para o cumprimento da orientação.

De acordo com o promotor, a flexibilização está em desacordo com o Decreto Estadual 40.304/2020, de 16 de junho de 2020 (e suas prorrogações) e também com as classificações-bandeiras atribuídas por avaliações do setor competente do Governo do Estado para o município. O representante do MPPB também advertiu  que o descumprimento das medidas recomendadas resultaria em providências extrajudiciais e/ou judiciais cabíveis, com eventuais desdobramentos cíveis e/ou penais.

Ao expedir a recomendação, o MPPB considerou que “as atividades indicadas no plano de flexibilização apresentado pela Edilidade Municipal não se enquadram nas atividades essenciais descritas nas normas vigentes (decreto estadual), e que seu funcionamento, contrariaria, ainda, as medidas de isolamento e distanciamento social, tão veementemente pregada pela Organização Mundial de Saúde, Ministério da Saúde e Secretaria de Saúde de Estado, o que possibilitará a indevida aglomeração de pessoas nesse momento de risco de contaminação”.

Sendo assim, o promotor de Justiça Bergson Formiga também considerou a “necessidade de revisão da decisão municipal de flexibilizar as medidas de contenção a partir de 29 de junho de 2020, em contraste com a linha adotada pelo Estado”. Ainda segundo o representante do MPPB, Cabedelo se enquadra na “bandeira laranja”, na qual são permitidas apenas as atividades essenciais. Dada a urgência da situação, o promotor deu o prazo de 24 horas para a manifestação da Prefeitura. “Estamos aguardando o posicionamento do prefeito”, disse o promotor no início da manhã desta segunda-feira.

Confira a recomendação na íntegra AQUI.

Comente