Débora Ferraz participa da bienal em São Paulo

    0

    Para a Câmara Brasileira do Livro (CBL), as expectativas com relação à 23ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo são mais baixas em relação à edição anterior: são esperadas, de amanhã até o último dia do mês, no Pavilhão de Exposições do Anhembi (na zona norte paulista), 700 mil pessoas, contra 750 mil em 2012, quando o espaço físico era mais amplo. No que depender de três autores da Paraíba que participam da bienal nesta edição, porém, tamanho não será o problema e as expectativas são as mais altas possíveis. Os escritores Beto Brito e Débora Ferraz, além da ilustradora Veruschka Guerra, estão escalados para a programação do evento que vai contar com mais de 400 atrações nacionais e internacionais.

    “Eu adquiri o estande desde o mês de janeiro”, revela Beto Brito, único dos três autores que vai se apresentar em um espaço próprio, que ele mesmo financiou para divulgar seu trabalho como cordelista (ele é mais conhecido por sua carreira musical). “Foi um investimento muito alto, mas estou indo com um imenso prazer, porque a expectativa é levar o cordel para o grande público de uma forma bonita.” Brito divulga o seu Cordel Universal (caixa com 12 folhetos que ele assina) durante todos os 10 dias da Bienal. Para tanto, está levando consigo sua rabeca e também sua esposa, que vai ajudá-lo no estande, todo decorado com elementos inspirados nas xilogravuras dos cordéis.

    Na próxima quinta-feira, é provável que os passos de Beto Brito se cruzem com os de Débora Ferraz, que lança Enquanto Deus Não Está Olhando (seu romance premiado) em um estande do Sesc. A escritora participa de um debate, às 18h, com o escritor Alexandre Marques Rodrigues (autor de Parafilias, livro de contos também premiado). O mote da discussão é ‘O outro no extremo’.

    “O tema da mesa foi uma sugestão do Henrique Rodrigues (também escritor, organizador da coletânea O Livro Branco), que vai mediar o debate”, explica Débora. “Acho que a questão é o que liga os dois livros, o meu e o do Alexandre: a solidão, de certa maneira, irremediável dos personagens. Isso porque, no caso do Enquanto Deus…, a narrativa é composta de vazios incontornáveis. Os personagens estão ali juntos, mas muito sós.”

    Colaboração Jornal da Paraíba

    Comente

    Antares

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    E-mail: [email protected]