Confusão leva Senado a adiar votação de projeto que altera meta fisca

    0

    Uma confusão entre parlamentares e manifestantes que ocupavam as galerias do plenário do Congresso Nacional levou o presidente Renan Calheiros (PMDB-AL) a suspender e adiar para amanhã (3), às 10h, a sessão do Congresso Nacional para votar dois vetos e o projeto de lei que altera cálculo do superávit primário.

    O tumulto com os manifestantes começou durante o discurso da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM). Incomodada com a situação, a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) interpelou Renan solicitando que ele providenciasse a retirada das pessoas das galerias. O presidente do Congresso então determinou aos seguranças que esvaziassem as galerias, mas parlamentares da oposição reagiram e se juntaram aos manifestantes.

    Os seguranças agiram para cumprir a ordem de Renan. Houve empurrões entre os seguranças, parlamentares e manifestantes. Eles chegaram a usar os equipamentos de choque. O professor de história, Alexandre Ângelo, de Goiânia, disse que um segurança pediu para deixar a galeria, e como não obedeceu, foi agredido com choque elétrico. “Pediram para eu sair. Eu disse não. Então, o segurança disparou a arma de choque e eu desmaiei”, ressaltou.

    A aposentada Ruth Gomes, de 79 anos, disse que também foi empurrada e depois sofreu uma “gravata” de um dos seguranças, chegando quase a desmaiar. Enquanto o tumulto tomava conta das galerias, agressões verbais e até empurrões ocorriam dentro do plenário, envolvendo parlamentares contra e a favor da aprovação do projeto que muda a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) em vigor para alterar o superávit primário.

    O senador Renan Calheiros tentou, mas não conseguiu, negociar uma saída para o impasse e teve que encerrar a sessão sem votar nada. “Esta obstrução é única em 190 anos do Parlamento. Vite e seis pessoas assalariadas impedindo os trabalhos do Congresso. Isso não é possível”, disse. Ao mesmo tempo, na mesa de trabalhos, alguns deputados agrediam verbalmente os colegas.

    Parlamentares da oposição permaneceram durante todo o tumulto ao lado dos manifestantes, prestando apoio e solidariedade. “Nunca aconteceu uma coisa dessas aqui no Parlamento. Isso foi deprimente. É inaceitável. É inadmissível. Eles não vão conseguir transformar o Congresso no Parlamento bolivariano”, disse o líder da oposição no Congresso, deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO). “Na época em que fomos governo, a esquerda sempre ocupou as galerias e nunca aconteceu nada do que se viu hoje. Estamos vendo muita truculência”, disse.

    Da Agência Brasil

    Comente

    Antares

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    E-mail: [email protected]

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here