Bolsonaro e ex-assessor paraibano são alvos de operação da Polícia Federal

Operação Tempus Veritatis investiga a organização criminosa que atuou numa tentativa de “golpe de Estado”

O ex-presidente Jair Bolsonaro e o paraibano Tércio Arnaud, assessor do ex-presidente, foram alvo da Operação Tempus Veritatis, deflagrada pela Polícia Federal (PF). A ação investiga a organização criminosa que atuou na tentativa de “golpe de Estado” para manter Bolsonaro no poder, após a derrota nas eleições de 2022.

Os policiais federais foram até a casa de veraneio de Bolsonaro, em Angra dos Reis (RJ), na manhã desta quinta-feira (8). Segundo o ex-presidente, a corporação deu 24 horas para ele entregar o passaporte, que está guardado em Brasília.

Bolsonaro relatou que também foi alvo de medida cautelar restritiva. De acordo com ele, o mandado expedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) o proíbe de ter contato com outros investigados pela operação, mesmo que por meio de advogados.

Os policiais também cumpriram, no local, um mandado de busca e apreensão contra Tércio Arnaud, assessor do ex-presidente que o acompanha em Angra. Os policiais apreenderam o celular de Tércio, de acordo com Bolsonaro.

“Saí do governo há mais de um ano e sigo sofrendo uma perseguição implacável”, diz Bolsonaro.

“Me esqueçam, já tem outro governando o país”, segue o presidente.

Ele afirmou à Folha de São Paulo que está ainda se inteirando das buscas e apreensões e das prisões e que não poderia dar mais declarações.

Ao todo, a polícia cumpre nesta quinta 33 mandados de busca e apreensão, quatro mandados de prisão preventiva e 48 medidas cautelares diversas da prisão.

Os mandados são cumpridos nos estados do Amazonas, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Ceará, Espírito Santo, Paraná, Goiás e no Distrito Federal.

Com informações do Metrópoles e da Folha de São Paulo