Após BBB, Juliette impulsiona vendas de vinho em 40%, diz empresa de SC

Vinho espumante de uma vinícola de São Joaquim, na Serra Catarinense, foi lançado em agosto de 2020 e não teve relação com a paraibana

A 21ª vencedora do “Big Brother Brasil”, Juliette Freire, de 31 anos, impulsionou as vendas de um vinho catarinense que leva o mesmo nome. O vinho espumante da linha Juliette, de uma vinícola de São Joaquim, na Serra Catarinense, foi lançado em agosto de 2020 e não teve relação com a participante paraibana. Contudo, em razão do reality, os responsáveis pelo vinho afirmam que as vendas aumentaram cerca de 40% em poucas semanas.

Além do nome da sister, o vinho traz no rótulo uma boneca. Em razão dessas coincidências, as vendas aumentaram e pedidos para as regiões do Norte e Nordeste do Brasil estão sendo registrados.

“Começamos receber encomendas dessas regiões da linha Juliette. A gente resolveu, em razão do aumento das vendas, mandar um presente para família de Juliette para que eles pudessem brindar a final. Quando eles receberam o vinho, fizeram postagem agradecendo. E isso acabou viralizando e o vinho fazendo sucesso”, disse o gerente de produção, Rodrigo Colognese.

Rodrigo conta que a linha de vinhos espumantes começou a ser comercializada em setembro do ano passado. Para comemorar a safra de 2020, que segundo ele, foi a melhor da história na vinícola, um quadro foi pintado pelo artista plástico Eduardo Brush.

“Pegamos os principais nomes franceses e aí o nome Juliette foi escolhida para batizar o nome do quadro. Pensamos em uma linha de vinhos mais descontraídos, formal, mais agradável e pensamos em utilizar a boneca que simboliza tudo isso, e assim surgiu o rótulo” ,relembra Rodrigo.

Convite para Juliette

Vendas do vinho catarinense aumentaram 40% — Foto: NSC TV/Reprodução
Vendas do vinho catarinense aumentaram 40% — Foto: NSC TV/Reprodução

A participante venceu a edição com mais de 90% na terça-feira (4) e levou para casa R$ 1,5 milhão. Segundo o gerente de produção da vinícola, a ideia é trazer a paraibana até Santa Catarina para conhecer o produto que leva o seu nome.

“Se tudo der certo a gente quer trazê-la para conhecer no pé como é feito os vinhos que, com a grata surpresa, tem o nome dela”, conclui.

Do G1