New York Times fala sobre fortalecimento de Michel Temer e ouve críticas de Cássio ao vice

    0

    O fortalecimento do vice-presidente Michel Temer (PMDB) foi assunto do jornal americano “The New York Times”. A publicação falou brevemente do perfil agregador, cauteloso e formal de Temer, sem deixar de citar a ocasião em que o peemedebista foi acusado por Antônio Carlos Magalhães de ter “pose de mordomo de filme de terror”. A publicação ainda ouviu o senador paraibano Cássio Cunha Lima (PSDB), que disse que Temer atirou Dilma ‘aos leões’.

    O “New York Times” tratou da alta de Temer ante a crise que engloba o governo de Dilma Rousseff (PT): “Caso Dilma mantenha-se no poder ou caso seja derrubada, o vice está vendo sua influência crescer”, explica o texto. “Com alegações de corrupção vindo à tona quase a cada duas semanas, os brasileiros agora examinam a possibilidade de que dois dos quatro presidentes eleitos após o reestabelecimento da democracia não consigam terminar os seus mandatos”, disse o jornal, em referência ao senador e ex-presidente Fernando Collor, que renunciou para não sofrer um processo de impeachment, e à Dilma.

    A reportagem também assinala as recentes declarações de Temer, segundo o qual o Brasil precisa de “alguém [que] tenha a capacidade de reunificar a todos”. A declaração recente intensificou a suspeita de que o vice esteja se preparando para assumir a Presidência. “Temer atirou a presidente aos leões quando disse que precisamos de alguém para reunificar o país”, declarou Cássio Cunha Lima.

    O “New York Times” fez a ressalva de que nenhum testemunho indica que Dilma tenha se beneficiado do escândalo na Petrobras, mas reitera que as descobertas do esquema minam a sua gestão enquanto a reprovação da presidente aumenta. A reportagem cita a última pesquisa Datafolha, que aponta que apenas 8% dos brasileiros consideram o governo bom ou ótimo e que 66% dos entrevistados acham que o Congresso deveria abrir um processo de impeachment.

    Enquanto isso, a base de apoio do governo vem sofrendo baixas no Congresso. O PDT anunciou o rompimento com o Planalto, e o PTB recentemente votou contra o governo em decisão que ameaça o ajuste fiscal.

    Dos problemas enfrentados pela petista, é citada a decisão iminente do TCU (Tribunal de Constas da União), que julgará se Dilma usou indevidamente verba de bancos públicos para cobrir déficits orçamentários. Uma decisão contrária à presidente pode justificar a abertura de um processo formal de impedimento. Nesse caso, é Temer quem assume.

    A reportagem também menciona o processo que corre no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para determinar se a campanha da reeleição da presidente usou doações ilegais. Nesse caso, a chapa Dilma-Temer seria derrubada, e a corte teria que escolher entre empossar na Presidência o segundo colocado nas eleições, Aécio Neves (PSDB) –mais improvável–, ou transferir o comando da nação para Cunha, com novas eleições em até 90 dias.

    As informações são do jornal Folha de São Paulo.

    Comente

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    WhatsApp: (83) 99373-4023
    E-mail: [email protected]

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here