Jurista que suspendeu seis pesquisas na PB coloca nova consulta do IBOPE em xeque

    0

    O advogado Francisco Ferreira, o mesmo que atuou nas ações que resultaram na suspensão de seis pesquisas de intenções de voto na Paraíba, está levantando uma série de questionamentos que coloca sob suspeita a pesquisa realizada Ibope, que deverá ser divulgada nesta segunda-feira (1) pelo Sistema Paraíba de Comunicação.

    Entre outras questões, o jurista acusa o Ibope de omitir informações que, segundo ele, colocam a confiabilidade da pesquisa em xeque. “Primeiro o ibope omitiu à Justiça Eleitoral a informação de quais regiões do Estado seriam ouvidas as 812 pessoas que, segundo o próprio instituto, estariam previstas para serem ouvidas. Sendo assim, essas 812 pessoas poderiam ter sido ouvidas só em Campina Grande ou no Brejo, por exemplo”, observou.

    O advogado Francisco Ferreira ainda acusou a estatística contratada pelo Ibope de atuar de forma ilegal na Paraíba. “Pelo que apuramos, a estatística responsável não tem registro na Paraíba e exerce a profissão de forma ilegal. Pra se ter ideia, ela atua ao mesmo tempo da pesquisa na Paraíba, em Santa Catarina, São Paulo, Espírito Santo, Para, Ceará e aqui. Ela está em todos esses Estados ao mesmo tempo fazendo pesquisa. Isso é possível? Só se ela for onipresente”, questionou.

    “Outra coisa, o decreto 62497/68 prevê pena para o estatístico que exercer a profissão de forma ilegal e isso rende até processo criminal. Temos tudo isso documentado, por isso decidimos denunciá-la ao Conselho Federal de Estatística pra ela possa responder a processo”, completou o jurista.

    Pesquisas suspensas

    Com suspeitas de fraudes, seis pesquisas de intenções de voto já foram suspensas desde o início da campanha eleitoral desde ano na Paraíba, rendendo multas para institutos e veículos de comunicação que já somam R$ 266.025,00. No entendimento do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB), as consultas 0007/2014, 0010/2014, 0012/2014, 0013/2014, 0016/2014, 0018/2014, entre outras falhas, apresentaram problemas de metodologia na apuração dos dados.

    Contratadas aos institutos Souza Lopes e IPESPE pelo Sistema Correio de Comunicação e Jornal da Paraíba, respectivamente, as pesquisas que foram divulgadas até agora sobre a disputa pelo governo da Paraíba foram suspensas a pedido de um candidato a deputado estadual pelo Partido da Pátria Livre (PPL), através do advogado Francisco Ferreira.

    Comente

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    WhatsApp: (83) 99373-4023
    E-mail: [email protected]