IPC da Paraíba recebe equipamentos para combate a crimes cibernéticos

    0

    Três estações de trabalho com equipamentos para análise de dados de crimes cibernéticos vão auxiliar a Polícia Civil da Paraíba na elucidação de crimes cibernéticos ocorridos no Estado. O material, que pertence ao Instituto de Polícia Científica (IPC), representa um investimento de R$ 50.937,00 e foi repassado pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp).para atualizar o Laboratório de Computação Forense, sobretudo no que se refere à investigação de crimes como o de pedofilia através do uso de computadores, celulares, smartphones e outros equipamentos eletrônicos.

    Com a utilização das estações de trabalho, do tipo Workstation HP Z820, a Paraíba passa a operar com o que há de mais moderno na atualidade no que se refere à análise de dados de crimes cibernéticos. “Com isso, vamos ter condições de recuperar informações de celulares e qualquer tipo de equipamento eletrônico. São dados que, geralmente, são apagados e agora vamos ter condições de analisar”, informou Vinícius Rocha, perito oficial criminal do Laboratório de Computação Forense.

    O equipamento tem uma capacidade de armazenamento de três terabytes, o que vai garantir que muito mais aparelhos possam ter os dados analisados pelo Laboratório em um menor espaço de tempo. “O IPC da Paraíba passa a integrar uma grande rede de análise de dados em todo o Brasil. Os principais Institutos de Polícia Científica do país contam com esse tipo de equipamento e nós estamos nesse mesmo patamar. Hoje nós temos o que há de mais avançado nesta área para a recuperação e análise de dados de equipamentos eletrônicos”, disse o perito criminal de computação forense, Jadson Cantanhede.

    O diretor do IPC, Humberto Pontes, acrescentou que com a aquisição das três Estações de Trabalho Pericial, o IPC da Paraíba fortalecerá o processo de produção de prova material e de esclarecimentos de crimes, com a finalidade de buscar a verdade a respeito dos fatos delituosos praticados no Estado.

    “A partir do uso desses equipamentos os delegados paraibanos passam a contar com novas e eficientes ferramentas para analisar equipamentos eletrônicos, o que vai dar mais celeridade aos processos que investigam casos de pedofilia e outros crimes cibernéticos”, concluiu o perito Jadson Cantanhede.

    Comente

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    WhatsApp: (83) 99373-4023
    E-mail: [email protected]

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here