Clementino Fraga participa das ações alusivas ao Combate a AIDS

    0

    Como Hospital de Referência na Paraíba  no Diagnóstico de tratamento das doenças sexualmente transmissíveis,  (DSTs) o Hospital de Doenças Infectocontagiosas Clementino Franga, que integra a rede hospitalar do Estado, vai participar das ações alusivas ao Dia Mundial de Combate a AIDS que será lembrado na próxima segunda-feira (1º).

     

    As ações começam no domingo (30) no final da Avenida Beira Rio com a Praia de Cabo.  Nesse local, no horário das 7 da manhã ao meio dia,   profissionais de saúde  que integram Programa Clementino Itinerante  irão realizar testes rápidos: hepatites virais B e C; AIDS;  e sifilis. A ação também vai contar com a presença de nutricionistas que vão orientar a população sobre alimentação e hábitos saudáveis. Também será feita a verificação da pressão arterial  e a glicemia lembrando para esse último exame a pessoa tem que estar em jejum.

     

    No dia 1º de dezembro, essas mesmas ações serão realizadas no mesmo horário no Hospital Clementino Fraga.  A diretora da unidade Saúde, Adriana Teixeira explica que este ano a novidade é a Casa das Sensações, onde as pessoas conhecerão todos os mitos e verdades sobre questões relacionadas com a sexualidade.

     

    De acordo com Adriana Teixeira AIDS ou Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, é uma doença infectocontagiosa causada pelo vírus HIV – Human Immunodeficiency Vírus, que leva à perda progressiva da imunidade. “ A doença na verdade é uma síndrome que caracteriza-se por um conjunto de sinais e sintomas advindos da queda da taxa dos linfócitos CD4, células muito importantes na defesa imunológica do organismo. Quanto mais a moléstia progride, mais compromete o sistema imunológico e, consequentemente, a capacidade de o portador defender-se de infecções”,  explicou.

    Dados – Esse ano de 2014 foram registrados 206 casos de AIDS  sendo 152 casos em pessoas do sexo masculino e 54 casos em pessoas do sexo feminino. O Hospital de referência em HIV/AIDS é o Clementino Fraga em João Pessoa; Em Campina Grande tem o Hospital Universitário Alcides Carneiro  e o  Hospital Universitário Lauro Wanderley, na Capital tem um serviço especializado para gestantes HIV positivas. Além desses existem os serviços de Atendimento especializado (SAE) Em Cabedelo, Santa Rita, Campina Grande e Patos.

    Os dados apontam ainda que  entre as mulheres, não existe uma faixa etária bem definida, entre os homens fica constatado pelos números é que a doença vem contaminando mais homens com idades entre 40 e 49 anos, a incidência é maior entre homens heterossexuais por excesso de confiança. E hoje em virtude da qualidade do tratamento, o portador do vírus possui uma qualidade de vida melhor em relação à década de 80.

     

    “Durante um período, falava-se que apenas homossexuais, usuários de drogas e profissionais do sexo estavam vulneráveis, mas isso mudou. Hoje, qualquer pessoa pode passar por uma situação de risco: profissionais de saúde que podem sofrer acidentes com material perfuro-cortante, um estupro praticado por criminoso contaminado e uma relação sexual sem camisinha são exemplos disso” comentou Adriana Teixeira

    Porque o laço vermelho como símbolo?

    O laço vermelho é visto como símbolo de solidariedade e de comprometimento luta contra a AIDs. O projeto do laço foi criado, em 1991, pela Visual AIDs, grupo de profissionais de arte, de New York, que queriam homenagear amigos e colegas que haviam morrido ou estavam morrendo de AIDs.

    Além da versão oficial, existem quatro versões sobre sua origem. Uma delas diz que os ativistas americanos passaram a usar o laço com o “V” de Vitória invertido, na esperança de que um dia, com o surgimento da cura, ele poderia voltar para a posição correta. Outra versão tem origem na Irlanda. Segundo ela, as mulheres dos marinheiros daquele País colocavam laços vermelhos na frente das casas quando os maridos morriam em combate.

    Comente

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    WhatsApp: (83) 99373-4023
    E-mail: [email protected]

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here