Banda toca ‘Amigos para sempre’ em evento com Dilma e Temer

    0

    A presidente Dilma Rousseff e o vice Michel Temer participaram nesta quarta-feira (16) de cerimônia militar no Clube do Exército, em Brasília. Durante a cerimônia, a banda militar tocou a música “Amigos para sempre”, após o momento em que Dilma e Temer cumprimentaram os oficiais generais das Forças Armadas.

    Em seguida, os participantes do evento seguiram para o salão onde ocorreram os discursos e o almoço. Após as falas e antes da refeição, Dilma e Temer se cumprimentaram com beijo no rosto. Os dois se sentaram lado a lado durante o almoço e deixaram o evento juntos.

     A presidente não falou com os jornalistas sobre o rebaixamento da nota do Brasil pela agência de classificação de risco Fitch. Ao deixar o local, Dilma brincou com os repórteres depois de uma jornalista dizer que queria dar os parabéns pelo aniversário, que foi comemorado nesta segunda (14).

    Foi o primeiro evento público em que os dois aparecerem juntos desde que Temer enviou à presidente carta na qual apontou desconfiança da petista em relação a ele. Esta carta, enviada no último dia 7, gerou mal-estar entre eles e intensa repercussão política em Brasília.

    Somente dois dias depois do vazamento do conteúdo da carta – e após diversas conversas entre interlocutores da presidente e do vice –, Dilma e Temer se reuniram, por cerca de uma hora, no Palácio do Planalto.

    O resultado da conversa entre eles foi o anúncio, por parte dos dois, de que a relação entre eles será “institucional” de agora em diante.

    O desgaste na relação entre a presidente e o vice ocorre em meio à maior crise política vivida pelo governo desde que Dilma e Temer chegaram ao Palácio do Planalto, em 2011.

    Além do processo de impeachment da petistaautorizado pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o governo vive as mais baixas taxas de popularidade – segundo pesquisa Ibope, 9% dos eleitores consideram a gestão “boa” ou “ótima”, enquanto 70%, “ruim” ou “péssima”.

    O governo também enfrenta resistência de alas dissidentes do PMDB, que defendem a saída do partido do governo e o impeachment de Dilma.

    Sobre o impeachment, a expectativa está em torno do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF), na tarde desta quarta, de ação movida pelo PC do B na qual a legenda questionou atos de Eduardo Cunha no processo, como o que autorizou, por votação secreta, a eleição de uma chapa avulsa, composta por deputados da oposição e dissidentes da base, para compor a comissão especial destinada a analisar o processo.

    Discurso
    No evento, Dilma discursou antes do almoço e afirmou que o país precisa dos projetos estratégicos que estão em desenvolvimento nas Forças Armadas e assegurou que projetos prioritários não serão comprometidos com a necessidade de ajuste fiscal.

    Dentre os projetos prioritários destacados por Dilma estão o sistema de monitoramento das fronteiras, do Exército, a construção do submarino nuclear, pela Marinha, e o FX-2, que escolheu o caça sueco Gripen como a nova aeronave de combate da Força Aérea Brasileira.

    Dilma citou também a aeronave KC-390, que está sendo desenvolvida pela Embraer para transporte de carga e pessoas. A presidente afirmou, ainda, que a indústria de defesa ocupa um papel essencial em todos os países desenvolvidos.

    “Reitero também que o Brasil precisa dos projetos estratégicos que estão em desenvolvimento nas Forças Armadas. Meu governo compreende a importância de desenvolvermos a base industrial de defesa brasileira e nos capacitarmos tecnologicamente em áreas estratégicas. Mesmo em momento de reequilíbrio fiscal, precisamos olhar sempre que revisões de prazos e adaptações não podem interromper um processo que as Forças Armadas têm levado a cabo”, disse.

    “Reconheço o esforço [dos militares com o orçamento] e asseguro que os projetos prioritários não serão comprometidos”, afirmou.

    O ministro da Defesa, Aldo Rebelo, discursou antes da presidente e destacou o papel das instituições militares no Brasil.

    “São instituições fundadoras da nossa nacionalidade, construtoras do estado brasileiro e criadoras de valores que cimentam a identidade mais profunda e o sentido de permanência da nossa nacionalidade. As instituições que ajudaram a criar a ideia de Brasil quando ela não existia. Ajudaram a fazer a escolha de um Brasil e não de dois, três ou mais Brasis”, afirmou.

    Primeiro a discursar, o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, disse que as Forças Armadas não são exaltadas pela busca do protagonismo e que estão “firmemente” dedicadas a contribuir para a estabilidade institucional. As informações são do G1.

    Comente

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    WhatsApp: (83) 99373-4023
    E-mail: [email protected]

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here