Wallber Virgolino publica fake news sobre EPIs na PB e governo Bolsonaro é quem tem enviado poucos itens

(Foto: Arte/Paraíba Já)

O deputado estadual Wallber Virgolino (Patriota) publicou em suas redes sociais nos últimos dias algumas ‘fake news’ com relação aos kits de proteção no enfrentamento ao novo coronavírus (Covid-19), enviados para as cidades de Pombal e Santa Rita. De acordo com o parlamentar, os kits foram distribuídos pelo Governo do Estado, porém, os equipamentos foram destinados pelo Governo Federal – do presidente Jair Bolsonaro, de quem o deputado é ferrenho defensor – e as distribuições foram definidas pelos conselhos municipais de Saúde.

A primeira publicação foi feita dia 3 de abril e diz respeito a kits entregues ao município de Pombal. Nela, Wallber questiona o Governo do Estado pela quantidade de material.

A segunda intervenção nas redes sociais aconteceu nesta segunda-feira (6), onde o parlamentar inicia o texto afirmando que não é ‘fake news’ – fazendo relação com a publicação de dias atrás – e reafirma que os materiais, em pouca quantidade, foram entregues pelo Governo do Estado.

Porém, o material recebido vem do Ministério da Saúde, e quem rateou no estado foi o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde da Paraíba (Cosems-PB), de acordo com itens que sua equipe interna qualificou. O Governo do Estado sequer tem relação com a distribuição dos itens no âmbito local.

Trecho da tabela de distribuição formulada pelo Cosems-PB (Foto: Reprodução)

O que diz o Cosems

O Conselho de Secretarias Municipais de Saúde da Paraíba (Cosems-PB) divulgou um esclarecimento sobre a distribuição dos equipamentos. A entidade se sentiu atacada pelas publicações de Wallber. “Mesmo com o intuito exclusivo de ajudar, fomos muito criticados e expostos, na distribuição dos EPIs que receberam do Ministério da Saúde”, disseram em trecho inicial da nota.

Como está havendo um fracionamento no envio dos itens, o rateio também fica comprometido. Porém, para nenhum município ficar sem equipamentos, eles vão recebendo aos poucos. Foi isso que explicou o Cosems: “Foi exaustivamente dito por várias vezes a todos que o quantitativo de materiais que estão chegando por ser aos poucos está sendo insuficiente para atender a necessidade de todos, mas achando que qualquer quantidade o município não queria perder nos empenhamos ao máximo para de alguma forma, o município ter seu material e ajudar no atendimento à população ou até ajudar a outro município que precise mais ou hospital de referência da região através de doação”.

Com toda repercussão, o Cosems-PB se exime de fazer o rateio dos itens a partir desta segunda-feira (6). “Assim o COSEMS vem oficialmente informar que não participará mais de nenhum rateio de EPI enviado pelo Ministério da Saúde para os municípios paraibanos, deixando que essa responsabilidade fique a cargo da Secretaria de Estado da Saúde, que vem recebendo esses materiais”, afirmam em nota.

MPPB em cima

O Cosems-PB informou que foi oficiado, nesta segunda-feira (6), pelo Ministério Público Federal (MPF), cobrando “esclarecimentos” sobre a forma de rateio dos EPIs que foram enviados pelo Ministério da Saúde e questionaram também por que foi tirado Campina e João Pessoa.

Confira nota na íntegra

Compreendendo que não está sendo fácil pra ninguém este momento de crise do Covid-19, e que estamos vivenciando dias muito difíceis.

Então por isso que nos últimos dias, o COSEMS tem se empenhado em atender as demandas dos municípios, estando atento as necessidades de cada um. Ocorre que mesmo com o intuito exclusivo de ajudar, fomos muito criticados e expostos, na distribuição dos EPIs que receberam do Ministério da Saúde.

Foi exaustivamente dito por várias vezes a todos que o quantitativo de materiais que estão chegando por ser aos poucos está sendo insuficiente para atender a necessidade de todos, mas achando que qualquer quantidade o município não queria perder nos empenhamos ao máximo para de alguma forma, o município ter seu material e ajudar no atendimento à população ou até ajudar a outro município que precise mais ou hospital de referência da região através de doação.

E assim foi feito, o COSEMS pensando em atender a todas as dúvidas que foi gerada por essa distribuição construiu também a Nota Informativa 05/2020, que traz o detalhamento do método utilizado para o rateio dos materiais.

Sugerindo assim, a distribuição dos EPIs por porte populacional, tentando seguir um critério em que os municípios do interior receberiam os materiais, sem considerar na distribuição, os municípios de Campina Grande e João Pessoa, por entendermos que mesmo sendo municípios de maior porte populacional e com maior demanda, os mesmos possuíam acesso e poder de compra bem maior do que os demais municípios da Paraíba.

Embora anteriormente tenha sido explicado que a quantidade de EPIs inicialmente enviada foi o equivalente a 20% do total e que excluímos os maiores municípios do Estado para que os menores municípios também pudessem receber melhor o material.

Então além de todas as críticas recebidas por gestores, gerentes etc., agora no fim da tarde por volta das 17:30hs e na data de hoje, o COSEMS/PB foi oficiado pelo Ministério Público Federal, que nos cobrou “esclarecimentos” sobre a forma de rateio dos EPIs que foram enviados pelo Ministério da Saúde e questionando por que foi tirado Campina e João Pessoa.

Deixando claro que responder a justiça não nos preocupar pois não fizemos nada que não tenha transparência e que não possamos comprovar isso a eles.

Mas o acúmulo de tudo e de tanta incompreensão nos fez tomar uma decisão dura mas necessária de agora em diante.

Assim o COSEMS vem oficialmente informar que não participará mais de nenhum rateio de EPI enviado pelo Ministério da Saúde para os municípios paraibanos, deixando que essa responsabilidade fique a cargo da Secretaria de Estado da Saúde, que vem recebendo esses materiais.

Lamento muito as coisas terem chegado a esse ponto, pois todos conhecem o meu trabalho e o quanto luto em defesa dos municípios, mas não posso me expor e prejudicar o COSEMS, com essa demanda que gerou tanta insatisfação e incompreensão.

Deixo aqui minha tristeza com tudo isso pois acabamos errando tentando acertar para melhor ajudar!

Comente