Vítima de racismo em banco de JP revela tristeza e diz que vai processar agressora

Conforme ele, a mulher que aparece no vídeo questionou, a um funcionário do local, o motivo pelo qual um negro estaria estampando uma propaganda publicitária

O trabalhador Daniel Soares de Lima, vítima de injúria racial na agência do Banco do Brasil Tambaú, em João Pessoa comentou, em entrevista ao Paraíba Já, sobre a agressão que sofreu na manhã da quarta-feira (14). Conforme ele, a mulher que aparece no vídeo proferindo declarações racistas questionou, a um funcionário do local, o motivo pelo qual um negro estaria estampando um propaganda publicitária da empresa.

“Ela perguntou a um funcionário do banco porque teria fechado com essa raça negra, achei até que era um grupo musical. Nisso, quando olhei e vi que não era, disse a ela que não tinha entendido e questionei o que tinha sido dito, foi quando ela começou os xingamentos, dizendo que eu era um negro bandido e ladrão. O vídeo só mostrou um minuto, mas teve muito mais tempo durante esse surto, sei lá se foi um surto dela”, explicou.

De acordo com o homem, que trabalha como guia de turismo e bugueiro, a polícia foi chamada ao local e a mulher foi encaminhada à Central de Polícia de João Pessoa, mas ele não tem informações se ela ainda se encontra detida ou se foi indiciada por injúria racial ou racismo.

+ Mulher é detida após gritar ofensas racistas em agência bancária de JP

Daniel ainda destacou que irá entrar com um processo contra a mulher e está adotando todas as medidas cabíveis em relação ao caso, juntamente com seus advogados.

“Fiz todo o procedimento, irei entrar com um processo contra ela e os advogados já estão sabendo. Vamos nos reunir para fazer isso. Foi bem triste o acontecido, mas faz parte e ela vai ficar bem conhecida com relação a isso e vai pensar duas vezes antes de agredir verbalmente qualquer pessoa”, declarou.

A mulher poderá responder por injúria racial e difamação. O crime de injúria racial está previsto no artigo 140, parágrafo 3º do Código Penal e ocorre quando o autor ofende a dignidade ou o decoro utilizando elementos de ‘raça’, cor, etnia, religião, condições de pessoas idosas e portadores de deficiência.