A vereadora Pâmela Vital do Rêgo Freire encaminhou à Prefeitura Municipal de Campina Grande dois pedidos de informação sobre a situação atual da saúde básica municipal e como estão sendo feitas as pactuações e parcerias da gestão municipal com hospitais privados da cidade, após receber diversas reivindicações da população.

A vereadora solicita que as informações sejam encaminhadas a Casa Legislativa, tão quanto antes do prazo regimental que é de 72 horas, a valer da data do pedido. Ela lembra que nesses poucos dias que se encontra em posse do mandato de Vereador, vem recebendo diversas reivindicações da população alusivos à saúde pública em Campina.

“Vários bairros foram elencados pelo povo campinense exaltando quase sempre os mesmos fatores: a estrutura precária, a ausência de médicos e medicamentos, a falta de servidores, como recepcionistas, que são o primeiro atendimento aqueles que têm problemas de saúde e necessitam da ajuda da gestão municipal para sana-los em tempo hábil”, disse Pâmela lembrando que atualmente Campina Grande detém cerca de cem Postos de Saúde da Família (PSFs) e duas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), estas localizadas nos bairros do Alto Branco e no Dinamérica, assim como outros centros de suporte aos usuários do Sistema Único de Saúde. Tais relatos levantam o questionamento sobre o que de fato está acontecendo e qual seria a justificativa da Prefeitura Municipal para esta situação.

Outro pedido de informação solicitado a partir de reclames da população campinense trata-se sobre como a Prefeitura está atuando para encontrar soluções para problemas clínicos tratáveis tanto nos hospitais municipais, o Hospital Pedro I e o Hospital Dr. Edgley, como naqueles da rede privada, o Hospital Antônio Targino, a CLIPSI, e o Hospital João XXIII.

As informações requeridas foram as seguintes:  

  1. Quais são as estruturas físicas e de pessoal ofertadas pela Prefeitura Municipal de Campina Grande para os PSFs e UPAs?
  2. Quantos atendimentos diários e quais especialidades estão sendo realizadas em cada local?
  3. Como está a atual situação dos Centros de Atenção Psicosocial (CAPS) em Campina Grande?
  4. Como estão as parcerias da Prefeitura Municipal com Organizações Não Governamentais (ONGs) que auxiliam no acompanhamento de portadores de doenças infectocontagiosas?
  5. Quais são as pactuações vigentes no Município de Campina Grande com hospitais da rede privada?
  6. Quais são os atendimentos de referência dos hospitais municipais como o Hospital Pedro I e o Hospital Dr. Edgley?
  7. Quantos leitos clínicos existem na rede municipal e na auxiliar (leia-se hospitais parceiros) ofertados para a população?
  8. Em qual hospital estão sendo feitas as hemodiálises de urgência?
  9. Como está o acompanhamento de pacientes portadores de Hepatites Virais em tratamento pelo Serviço de Assistência Especializada (SAE) e dos exames necessários feitos no Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA)?
  10. Da mesma forma, como está o panorama atual daqueles que precisam de um diagnóstico e tratamento da Tuberculose e Hanseníase?

Comente