Vereador de JP se solidariza com vice da PGR após “ataques” de Gilvan Freire

Líder da bancada de oposição na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), o vereador Marcos Henriques (PT) divulgou, na tarde desta quarta-feira (12), uma nota de solidariedade ao vice-procurador-geral da República, Luciano Mariz Maia.

De acordo com o parlamentar petista, o vice-procurador, que nasceu na cidade de Pombal, no Sertão paraibano, foi vitima de “ataques equivocados e lamentáveis” por parte do advogado e ex-deputado Gilvan Freire, durante um programa de TV transmitido pela Internet.

“Rechaço, veementemente, os lamentáveis comentários proferidos pelo advogado Gilvan Freire, em oposição ao procurador, por considerá-los típicos e oriundos da preguiça intelectual dos que coligam com o senso comum e, em rota de colisão com a história…”, diz trecho da nota divulgada pelo vereador de João Pessoa.

As críticas de Gilvan Freire foram baseadas nas afirmações feitas por Luciano Mariz Maia, no último dia 6, durante a Cúpula Pan-Americana de Juízes, no Vaticano. Na ocasião, o vice-procurador afirmou que a prisão do ex-presidente Lula (PT) gerou “uma grande dor no Brasil” e que o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) trouxe “de volta um medo de um retrocesso político para a época de regimes militares”.

Veja no vídeo abaixo as críticas de Gilvan ao vice da PGR

Leia abaixo, na íntegra, a nota de solidariedade ao procurador Luciano Mariz Maia:

Vereador de JP se solidariza com vice da PGR após “ataques” de Gilvan Freire
Vereador de João Pessoa Marcos Henriques (PT)

NOTA

Pela presente Nota, gostaria de me pronunciar em apoio e solidariedade ao Vice-Procurador Geral da República, Luciano Mariz Maia, em face dos ataques sofridos por parte do advogado Gilvan Freire, por considerá-los equivocados e lamentáveis. A princípio, gostaria de enaltecer a coragem e a coerência do brilhante jurista que, orgulhando o Estado da Paraíba ocupa o segundo posto da Procuradoria Geral da República do Brasil, função que desempenha, sem a necessidade de fazer qualquer flexibilização de sua identidade ética e moral, sem abrir mão de princípios e, portanto de suas opiniões. O Dr. Luciano Mariz Maia, ousou, em palestra proferida no Vaticano e, em defesa da justiça, afirmar aquilo que a maioria do povo brasileiro já se deu conta, que o julgamento e a prisão do ex-presidente Lula foram frutos de uma farsa política e, portanto, causam grande dor ao Brasil e ao povo brasileiro. Não poderia esperar menos de um grande homem. 

Na oportunidade, rechaço, veementemente, os lamentáveis comentários proferidos pelo advogado Gilvan Freire, em oposição ao procurador, por considerá-los típicos e oriundos da preguiça intelectual dos que coligam com o senso comum e, em rota de colisão com a história, em grave contradição com sua identidade e, estando contaminado pela venenosa dissidia dos que, em coluio, produziram a maior farsa jurídica já vista no país, e, desprovidos de fundamentos argumentativos, preferem enveredar pelo desprezível ataque viu.

Lula é um preso político, vítima de uma trágica e vergonhosa página de nossa maculada história, cujos meios utilizados para o condenar foram forjados à margem da legalidade, ferindo de morte o estado democrático de direito e a democracia. Ao reconhecer isso, o procurador Luciano Mariz Maia eleva sua estatura, e honra sua biografia, merecendo nossa admiração e toda nossa reverência. Diferentes dos que se acovardaram, sentaram e estão até hoje chocando o “ovo da serpente”.

Marcos Henriques – Vereador de João Pessoa

Comente