Veja os números: popularidade de Moro despenca 10 pontos, revela pesquisa

As revelações do site The Intercept Brasil começam a mostrar ao ministro da Justiça, Sergio Moro, o que significou tirar o manto de magistrado e vestir a fantasia de político. Pesquisa exclusiva da empresa Atlas Político mostra que o ex-juiz da Operação Lava Jato perdeu parte do seu capital popular após as reportagens que apontam sua ligação estreita com o procurador Deltan Dallagnol no processo que condenou mais de 1000 pessoas, entre eles o ex-presidente Lula que cumpre pena há um ano em Curitiba.

+ Procuradores da Lava Jato tramaram para impedir entrevista de Lula por medo de ‘eleger o Haddad’

+ RC diz que STF precisa salvar o Judiciário e processar ‘Orcrim’ que manipulou Justiça

+ Troca de mensagens pode anular decisões de Moro, admitem ministros do STF

+ Operação Lava Jato: dois pesos e duas medidas

+ Santiago prega cautela após vazamento de conversas entre Moro e Dallagnol

+ Ordem dos Advogados do Brasil recomenda o afastamento de Moro e Dallagnol

+ Prova obtida de forma ilegal pode ser usada sim, revela ministro do STF

+ Vídeo: ícone da direita, jornalista paraibana vê “intimidade promíscua” entre Moro e Dallagnol

+ Luiz Fux disse para Deltan Dallagnol, da Lava Jato, “contar com ele”

+ Vaza Jato: ‘peripécias’ de Moro e Dallagnol podem anular condenação de Lula

Em pesquisa da Atlas realizada em maio, Moro tinha uma imagem positiva para 60% dos entrevistados. Na pesquisa realizada entre os dias 10 e 12 deste mês, o ministro havia perdido quase dez pontos percentuais – manteve o mesmo prestígio entre 50,4% dos entrevistados -,  mas recebeu avaliação negativa de 38,6%, contra 31,8% no levantamento do mês passado. Apesar do desgaste, Moro ainda é o político mais popular do Brasil, e tem o respeito da maioria dos brasileiros.

O levantamento, feito online com 2.000 pessoas de todo o país (o resultado tem margem de erro de 2% para cima ou para baixo), mostra que 73,4% dos entrevistados tomaram conhecimento das conversas entre Moro e Dallagnol, divulgadas no último domingo (9). Desses, 58% reconhecem que a prática de um juiz aconselhar e manter conversas privadas com membros da acusação ou defesa de um réu, sem o conhecimento da parte adversa, é incorreta. Somente 23,4% consideram esse comportamento correto. Outros 18,6% não opinaram.

Os diálogos divulgados até aqui pelo site, e que não foram desmentidos pelo atual ministro, mostram que Moro mantinha intensas conversas privadas com o coordenador da Lava Jato pelo aplicativo Telegram com orientações, broncas, elogios e até dicas de fontes que a força tarefa deveria ouvir nas investigações que os procuradores conduziram para condenar o ex-presidente Lula.

Esse comportamento fere princípios constitucionais e do Código Penal Brasileiro. Vai contra, ainda, uma posição que o próprio Moro sempre adotou. “Eu não tenho estratégia de investigação nenhuma. Quem investiga e quem decide o que vai fazer é o Ministério Público e a Polícia [Federal]. O juiz é reativo, o juiz normalmente deve cultivar virtudes passiva… e até me irrita ver críticas infundadas dizendo que eu sou um juiz investigador”, disse Moro em palestra na Associação Nacional dos Auditores Fiscais em Curitiba, há três anos. As informações são do El País.

Compare no gráfico abaixo a queda na popularidade de Sergio Moro

Veja os números: popularidade de Moro despenca 10 pontos, revela pesquisa

Comente