Veja o que se sabe sobre golpe que prometia um ‘octilhão’ de reais de lucro a fiéis

De acordo com a investigação, o grupo criminoso agiu por mais de 5 anos e era composto por cerca de 200 pessoas

Real Moeda brasileira

A Polícia Civil do Distrito Federal deflagrou, na última quarta-feira (20), uma operação contra um grupo suspeito de enganar mais de 50 mil pessoas no Brasil e no exterior. Os investigados aplicavam golpes financeiros dentro de igrejas, prometendo lucros de até um “octilhão” de reais.

De acordo com a investigação, o grupo criminoso agiu por mais de 5 anos e era composto por cerca de 200 pessoas — entre elas, pastores e líderes religiosos que induziam fiéis a pensar que eram “abençoados a receberem grandes quantias”.

Para justificar os grandes valores que viriam como lucro dos investimentos, o grupo usava uma teoria da conspiração, chamada de “Nesara Gesara”. Veja o que sabe até agora sobre o golpe:

Como funcionava o esquema?

Segundo a Polícia Civil do Distrito Federal, o grupo criminoso é composto por 200 integrantes, incluindo dezenas de pastores. Dentro das igrejas, os fiéis eram incentivados a investir as economias em falsas operações financeiras ou projetos de ações humanitárias que não existiam.

Os criminosos prometiam “retorno imediato e rentabilidade estratosférica”. Conforme a investigação, os fiéis eram induzidos a pensar que eram “abençoados por Deus para receber grandes quantias”.

As redes sociais também eram usadas para cometer os golpes. O grupo anunciava ganhos de até um “octilhão” de reais e 350 “bilhões de centilhões” de euros.

A Polícia Civil do DF diz que o grupo movimentou R$ 156 milhões em 5 anos, além de criar 40 empresas fantasmas e movimentar mais de 800 contas bancárias suspeitas.

O que é “Nesara Gesara”?

Para convencer os fiéis de investirem, o grupo usava uma teoria da conspiração chamada “Nesara Gesara”. A ideia, no entanto, começou com uma tese de doutorado no início dos anos 90, nos Estados Unidos.

Conforme um podcast da BBC, que foi ao ar em agosto de 2021, em um dos seus estudos, Harvey Francis Barnard propôs um pacote de reformas econômicas que previam abolição de impostos, perdão de dívidas de consumidores e mudança radical no sistema monetário.

A ideia foi batizada de National Economic Security and Recovering Act (Nesara) — inglês para Ato para Recuperação e Segurança da Economia Nacional. Porém, foi só nos anos 2000 que a teoria ganhou força com ares de teoria da conspiração, a partir da blogueira estadunidense Shaini Goodwin.

Segundo ela, o Nesara já havia sido aprovado pelo ex-presidente dos EUA Bill Clinton — que governou o país entre 1993 e 2001 —, o que não é verdade. Goodwin defendia ainda que os ataques do dia 11 de setembro haviam sido armados pelo também ex-presidente George W. Bush, com o objetivo de barrar a implementação do Nesara.

Lucros prometidos não são possíveis

O grupo oferecia lucro de até um “octilhão” de reais e 350 “bilhões de centilhões” de euros para “investidores”. Os valores, no entanto, são fantasiosos e sequer existem financeiramente, conforme explicado por especialistas ouvidos pelo g1.

O economista e professor Cesar Bergo, da Universidade de Brasília (UnB), explica que, ainda que fossem reunidas as riquezas de todos os países do mundo, não chegaria nem perto dos valores prometidos pelos golpistas.

De acordo com o economista Marcelo Botelho, da Universidade de São Paulo (USP), “um octilhão de reais” seria equivalente a 1 seguido de 9 conjuntos de três zeros ou 27 zeros no total.

“Hoje existe no mercado mundial 10 trilhões, 620 bilhões, 833 milhões de euros. Para se ter uma ideia, 350 bilhões de centilhões de euros, seria equivalente a 350 seguido por 87 conjuntos de três zeros, algo inimaginável”, explica Botelho.

O economista aponta que o valor prometido pelos golpistas em euro é 19 mil vezes mais do que existe da moeda do mundo.

Veja quem são os alvos

No dia em que a operação da Polícia Civil foi deflagrada, os agentes cumpriram dois mandados de prisão preventiva e 16 de busca e apreensão no DF e em quatro estados — Goiás, Mato Grosso, Paraná e São Paulo.

Os dois alvos de prisão foram:

  • Pastor Osório José Lopes Júnior
Pastor Osório José Lopes Júnior foi preso em Tocantins — Foto: PCTO/Reprodução

Pastor Osório José Lopes Júnior foi preso em Tocantins — Foto: PCTO/Reprodução

Suspeito de participar do esquema, Osório foi preso em um rancho em Sucupira, em Tocantins, nesta quinta-feira (21), após passar mais de um dia foragido. Até a última atualização desta reportagem, ele ainda não havia sido transferido para Brasília.

Osório é acusado de aplicar golpes em fiéis de Goianésia, no centro de Goiás, e demais pessoas de vários estados do país, em 2018. À época, ele e outro pastor alegavam que haviam ganhado um título de R$ 1 bilhão, mas precisavam reunir fundos para conseguir recebê-lo. O líder religioso chegou a lucrar cerca de R$ 15 milhões com o golpe.

Em 2018, ele chegou a ser preso, mas responde ao processo em liberdade. A sentença ainda não foi proferida pela Justiça. Após ser liberado da prisão, Osório se mudou para São Paulo.

  • Pastora Maria Aparecida Gomes Barbosa
Pastora Maria Aparecida Gomes Barbosa, presa em Santa Catarina — Foto: PCSC/Reprodução

Pastora Maria Aparecida Gomes Barbosa, presa em Santa Catarina — Foto: PCSC/Reprodução

Natural de Patos, na Paraíba, a religiosa foi localizada na casa da filha em Jaraguá do Sul, no Norte de Santa Catarina. Segundo a Polícia Civil, ela teria relação próxima com o pastor Osório José Lopes Júnior.

A mulher é apontada pela Polícia Civil como uma das responsáveis por captar investimentos e vítimas para o esquema.

“Ela assumiu uma função de administradora. Era como se fosse uma ‘mula da fraude’, em um termo bem grosseiro. Ela seria responsável por coordenar os grupos sociais, angariar as vítimas e ajudar os líderes a captar mais investimentos”, disse o delegado Marco Aurélio Sepúlveda.

Pastor usava vídeos no YouTube para falar de golpes com fiéis

O pastor Osório José Lopes Júnior usou seu canal no YouTube para explicar como viriam os lucros prometidos por ele nos investimentos feitos pelos fiéis.

O líder religioso afirma que participa do chamado “Projeto Redenção“, que teria sido criado aproximadamente em 1940, pelos Estados Unidos e na China. Em seguida, 209 países se uniram — incluindo o Brasil — para agregar bens de alto valor, como ouro, prata, diamante, pedras preciosas.

Ainda de acordo com Osório, à época, cada país recebeu uma quantidade de letras de câmbio, de acordo com o total de bens acumulados. No entanto, nem todas as letras tiveram seus valores recuperados.

As letras de câmbio teriam, então, sido unificadas em um único documento, atribuindo a responsabilidade de todas as posses também a uma só pessoa. Segundo Osório, esse responsável seria ele e as contribuições feitas pelos fiéis garantiriam uma parte da renda se contribuíssem com o que ele chama de “operação”.

O pastor não explica o que seria KSR. Diz apenas que acredita que os valores serão liberados ainda em 2022, o que não acontece, já que os vídeos publicados por ele neste ano continuam pedido os valores de contribuição aos fiéis. Do g1.