- Publicidade -
Brasil

Vaza Jato: ‘peripécias’ de Moro e Dallagnol podem anular condenação de Lula

Para Gilmar Mendes, ex-juiz era “chefe da Lava Jato” e procurador, “um bobinho”

As conversas entre o ex-juiz federal e atual ministro da Justiça, Sergio Moro, e o coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato no MPF (Ministério Público Federal) no Paraná, procurador Deltan Dallagnol, podem anular a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no caso do tríplex. A avaliação é do ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal).

- Continua depois da publicidade -

+ Procuradores da Lava Jato tramaram para impedir entrevista de Lula por medo de ‘eleger o Haddad’

+ RC diz que STF precisa salvar o Judiciário e processar ‘Orcrim’ que manipulou Justiça

+ Troca de mensagens pode anular decisões de Moro, admitem ministros do STF

+ Operação Lava Jato: dois pesos e duas medidas

+ Santiago prega cautela após vazamento de conversas entre Moro e Dallagnol

+ Ordem dos Advogados do Brasil recomenda o afastamento de Moro e Dallagnol

+ Prova obtida de forma ilegal pode ser usada sim, revela ministro do STF

+ Vídeo: ícone da direita, jornalista paraibana vê “intimidade promíscua” entre Moro e Dallagnol

+ Luiz Fux disse para Deltan Dallagnol, da Lava Jato, “contar com ele”

Em entrevista à revista Época (clique aqui e leia), Gilmar Mendes disse acreditar que o conteúdo das mensagens trocadas entre Moro e Dallagnol mostra que elas tiveram impacto no andamento da Lava Jato.

“Eu acho, por exemplo, que, na condenação do Lula, eles anularam a condenação”, disse o ministro do STF referindo-se aos trechos das conversas entre Moro e Dallagnol, segundo a revista

Gilmar vê crimeSenador chama ministro do STF de “bandido”, “corrupto” e “canalha”

Em trecho das conversas divulgadas pelo site The Intercept Brasil, o procurador disse que iria usar uma “notícia apócrifa” para fazer uma intimação na Lava Jato. Moro, então, responde: “melhor formalizar então”. Para Gilmar Mendes (foto), isso é um crime. “Simular uma denúncia não é só uma falta ética, isso é crime.”

Na avaliação do ministro do STF, as conversas apontam que Moro seria o líder da força-tarefa. “O chefe da Lava Jato não era ninguém mais, ninguém menos do que Moro. O Dallagnol, está provado, é um bobinho. É um bobinho. Quem operava a Lava Jato era o Moro”.

O que dizem Moro e Dallagnol

O Ministério da Justiça disse que as conversas são “supostas mensagens, que foram obtidas de forma criminosa”. A pasta comandada por Moro ressaltou que a Polícia Federal abriu investigação para apurar o caso.

Quando as primeiras mensagens foram divulgadas, o ministro e o procurador disseram que não havia “anormalidade” nas conversas. Já a Lava Jato mantém o posicionamento de que elas não mostram “ilegalidade”. As informações são do Uol.

Comente

Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
Facebook, Twitter e Youtube.

Interaja com o Paraíba Já:
E-mail: [email protected] | WhatsApp: (83) 98176 - 1651

Fabio Bernardo

Fábio C. Bernardo é radialista e jornalista graduado pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Iniciou a carreira em 1995 no Jornal A União, onde foi repórter e editor setorial. Em 1998, ingressou no Jornal Correio da Paraíba e atuou como editor-adjunto de Esportes e de Política, além de assinar a coluna Informe. Trabalhou nas rádios CBN, Correio, Sanhauá e O Norte, e fundou o portal de notícias www.paraibaja.com.br. Atualmente é um dos apresentadores do programa 60 Minutos, da Rádio Arapuan FM.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar