“Tudo isso que foi constatado pelo CRM já havia sido dito na Caravana que nós fizemos ao Trauminha no ano passado”, declarou o líder da oposição na Câmara Municipal de João Pessoa, vereador Marcos Henriques. Segundo ele, durante a visita realizada, ficou evidenciada também a falta de aparato às pessoas que procuram um tratamento. “Ali a gente vê pessoas mal acomodadas num calor infernal e que não estão sendo bem atendidas”, disse.

“Eu fico muito triste porque a oposição, ela fez a sua parte, apontando os problemas da gestão com a perspectiva de que o prefeito possa resolver e não levar como uma birra da oposição contra a situação”, declarou.

O vereador disse, ainda, esperar que o prefeito Luciano Cartaxo possa agir com a sabedoria necessária para escutar todos os vereadores. “O que nós queremos é contribuir para que a gestão possa olhar aquilo que está deixando de ser feito no seu governo e possa apresentar uma solução”, opinou.

Entenda o caso

O Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB) fiscalizou o Complexo Hospitalar de Mangabeira Tarcísio Buritiy – Ortotrauma, conhecido como Trauminha, na manhã desta terça-feira (12) e interditou eticamente um dos dois blocos cirúrgicos existentes no hospital. Os médicos ficam impedidos de realizar procedimentos no setor a partir desta quarta-feira (13). A equipe de fiscalização constatou que havia graves problemas nas salas de cirurgia, como buracos no teto, infiltrações, ferrugem e mofo, causando sérios riscos aos pacientes.  Este bloco interditado possui quatro salas para cirurgias gerais. Há ainda outro bloco, com três salas, que realiza procedimentos de ortotrauma, que continuará funcionando normalmente, apesar de algumas irregularidades.

Comente