O jornalista Luís Tôrres, secretário de Comunicação do Estado, acusou, nesta quinta-feira (23), durante entrevista a uma emissora de rádio da Capital, o prefeito Luciano Cartaxo (PSD) de praticar crime eleitoral. De acordo com auxiliar do governador Ricardo Coutinho (PSB), o próprio prefeito confessou a suposta prática criminosa, quando pela manhã, em entrevista à imprensa, afirmou que os hospitais regionais do Estado não funcionam, por isso as pessoas estariam “correndo para a Capital.”

Para Tôrres, Cartaxo deixou claro que tem utilizado as Unidades de Saúde da Família (USF) para atender “cabos eleitorais”, vindos do interior do Estado. “Ele fez uma confissão de crime eleitoral. O prefeito tem que explicar à população de João Pessoa porque é que o pessoensse está com tanta dificuldade para marcar uma consulta nos postos de saúde. Ele precisa explicar porque estão dando prioridade a atender pessoas de outros municípios”, enfatizou.

De acordo com o secretário, as informações sobre o suposto crime eleitoral têm sido denunciadas pelos próprios responsáveis das USFs. “São denúncias que têm chegado e, certamente, o Ministério Público Eleitoral vai tomar conta disso. Por que é que os prestadores de serviço de algumas Unidades de Saúde da Família de João Pessoa estão sendo obrigados a apresentar seu títulos eleitorais? Isso ele tem que se explicar. É uma confissão de crime eleitoral. O prefeito está dizendo que está recebendo gente de fora”, observou.

Relação com João

Luís Torres ainda aproveitou para rechaçar a tese de desentendimento entre ele e o secretário João Azevedo (Infraestrutura e Recursos Hídricos). “Isso é fake news; notícia falsa”, disparou. “João Azevedo, ao contrário de outros pretensos candidatos, não precisa de Luís Torres, não precisa de marqueteiro, ele é real. Luciano Cartaxo precisa sim de 10, 20, marqueteiros para vender uma embalagem bonita. João entende a Paraíba, tem trabalho para mostrar”, completou.

Camara Municipal