Tiroteio em escola de ensino médio dos EUA deixa feridos

A polícia da cidade de Knoxville, no estado americano do Tennessee, informou nesta segunda-feira (12) que um tiroteio em uma escola de ensino médio deixou “vários feridos”, entre eles um agente policial.

Não há informações até o momento sobre o número, identidade e o estado de saúde dos feridos. Também não foi divulgada a autoria do ataque.

“Vários agentes estão no local do tiroteio, na escola de ensino médio Austin-East Magnet”, disseram as autoridades em nota. “Há relatos de vários baleados, incluindo um policial do departamento de polícia de Knoxville.”

O jornal “Knoxville News-Sentinel” noticiou que uma pessoa, relacionada com incidente, foi detida. A informação não foi confirmada pela polícia.

Os agentes pediram que a área fosse evitada e os acessos ao local foram restringidos. Segundo os policiais, um ponto de encontro foi criado no campo de beisebol atrás do colégio para que os pais possam recolher seus filhos.

Agentes da polícia de Knoxville, no Tennessee (EUA), em frente a escola após o registro de tiroteio em 12 de abril de 2021 — Foto: Polícia de Knoxville/Reprodução

Agentes da polícia de Knoxville, no Tennessee (EUA), em frente a escola após o registro de tiroteio em 12 de abril de 2021 — Foto: Polícia de Knoxville/Reprodução

O superintendente de educação do condado de Knox, Bob Thomas, disse em um comunicado que o prédio da escola foi fechado e que os estudantes que não têm relação com o incidente já foram liberados para ir com suas famílias.

A emissora Local 10 News, afiliada da rede ABC, noticiou que o colégio foi colocado sob um “forte lockdown” e que os pais receberam um aviso para buscar seus filhos.

Tiroteio no Tennessee — Foto: G1 Mundo

Tiroteio no Tennessee — Foto: G1 Mundo

Restrições a armas de fogo

O incidente ocorre a menos de uma semana do presidente americano Joe Biden ter anunciado uma série de medidas para tentar conter o que ele chamou de ‘epidemia de violência com armas de fogo’ nos EUA.

Veja algumas das medidas anunciadas:

  • aumento de restrições às chamadas “armas fantasmas” e acessórios para armas comuns
  • incentivo aos estados para removerem temporariamente o porte de armas para pessoas que representem riscos a si mesmos ou a outros
  • acompanhamento maior sobre o tráfico de armas de fogo
  • investimento em programas de intervenção dentro de comunidades com altos índices de violência

Pressão após casos recentes

O presidente Biden vem sendo pressionado por parte de seus aliados democratas para tomar medidas após os recentes tiroteios no Colorado, na Geórgia e na Califórnia.

Na semana passada, um homem abriu fogo em uma loja de móveis no Texas um dia depois que Phillip Adams, ex-jogador da NFL, matou 5 pessoas a tiros e tirou a própria vida.

Em 1º de abril, um tiroteio deixou quatro mortos e dois feridos em um prédio comercial ao sul de Los Angeles, na Califórnia. Uma criança foi uma das vítimas.

No fim de março, um criminoso abriu fogo em um supermercado da cidade de Boulder, no Colorado, e deixou 10 mortos. Entre as vítimas, estava um policial.

Uma semana antes, tiroteios em três casas de massagem na área de Atlanta, no estado da Geórgia, deixaram oito mortos, a maioria mulheres asiáticas, o que suscitou um debate sobre racismo e xenofobia nos EUA.

O assassino foi preso enquanto viajava em direção ao estado da Flórida onde, segundo as autoridades americanas, ele planejava realizar uma ação semelhante.

Do G1.