Time do NE desiste de contratar goleiro Bruno após desabafo de jornalista

Time do NE desiste de contratar goleiro Bruno após desabafo de jornalista
Goleiro Bruno cumpre pena em regime semiaberto domiciliar sob a acusação de assassinar Eliza Samudio - Foto: Arquivo

O Fluminense de Feira de Santana, na Bahia, desistiu da contratação do goleiro Bruno. Em virtude da repercussão negativa, especialmente depois do depoimento da jornalista Jessica Senra na TV Bahia, o clube optou por encerrar os contatos para contratar o jogador, que, condenado, cumpre pena em regime semiaberto domiciliar sob a acusação de assassinar Eliza Samudio.

Em entrevista coletiva, o presidente Ewverton Carneiro, conhecido como Pastor Tom, admitiu que o depoimento da jornalista e a indignação de torcedoras na internet fizeram a diferença para o Fluminense vetar a negociação, que estava bem encaminhada. O clube ratificou a posição exposta pelo dirigente, eleito deputado estadual na Bahia (Patriotas), em nota oficial.

“Devido a grande manifestação de uma parte da torcida, em especial a torcida feminina, e da grande movimentação nas redes sociais, a diretoria do Fluminense de Feira desistiu da contratação do goleiro Bruno Fernandes, ex-Flamengo”, comunicou o Fluminense.

Jessica Senra, em contato com o blog dibradoras, comentou sobre a desistência do negócio. A repercussão do próprio depoimento tomou grandes proporções e influenciou na decisão do clube.

“Foi uma repercussão imensa. Eu vi mais gente contra a contratação do que a favor. Vi que o clube desistiu da contratação por causa da repercussão. Eu queria de coração dizer que acho que ele precisa ter a possibilidade de recomeçar. Para mim, há duas questões importantes: a crueldade desse crime e a posição de prestígio que um jogador de futebol tem”, declarou.

“Se fosse crimes que não atentassem contra vida e dignidade humana, talvez a gente não se incomodasse tanto. Tanto é uma posição de prestígio que tem muita gente ignorando o resto só porque ele é jogador. Isso traz uma mensagem negativa para um país que mata uma mulher a cada duas horas”, sentencia Jessica Senra, que se tornou um dos assuntos mais comentados do dia no Twitter após o depoimento dado na televisão.

“A repercussão foi grande e gerou a desistência da contratação. Essa resposta é importante porque a gente mostra como sociedade que tem coisas que a gente não tolera, mesmo que lei permita”, acrescentou a jornalista.

Assista abaixo o desabafo da jornalista

Comente