TCE aponta gastos ilícitos da Cruz Vermelha superiores a R$ 1 milhão

A Cruz Vermelha, organização social que foi responsável por administrar hospitais na Paraíba, não conseguiu comprovar gastos superiores a um milhão de reais em um contrato firmado com um fornecedor de produtos.

Segundo o relatório do procurador Marcílio Toscano Franca Filho, do Ministério Público de Contas (MPC), a empresa gastou R$ 1.195.410,36 com a BOTIN ASSESSORIA E SERVIÇOS LTDA “para prestação de serviços técnicos gerenciais de apoio e execução de tarefas para atender” o Hospital de Trauma Senador Humberto Lucena.

Segundo o voto do relator do processo no Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB), Nominando Diniz, que se embasou no relatório do procurador do MPC, a Cruz Vermelha foi a “responsável direta” pelo mau uso dos recursos públicos e multou o diretor presidente da Cruz Vermelha do Brasil em R$ 8,9 milhões.