O deputado federal e presidente do Diretório do PMDB de Campina Grande Veneziano Vital do Rêgo está sofrendo as consequências de ter votado a favor da continuidade das investigações contra o presidente da República Michel Temer (PMDB), na Câmara Federal.

O paraibano e mais cinco deputados federais peemedebistas, que votaram contrários ao relatório que livrou Temer das denúncias de corrupção, compõem uma lista enviada pelo presidente nacional do PMDB, o senador Romero Jucá, para o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, pedindo a suspensão das atividades partidárias por 60 dias, além das funções diretivas dentro da legenda durante este prazo pelos citados no documento.

Há meses que há boatos pelos bastidores de que Veneziano estaria insatisfeito com o partido e que há uma expectativa pela desfiliação. Esta não é a primeira vez que o deputado paraibano vota contra os interesses do governo Temer, pois também foi contrário durante a aprovação da reforma trabalhista, na Câmara dos Deputados.

Quanto ao PMDB, parlamentares paraibanos defendem que seria o partido “mais democrático do Brasil”. Ao meos esta é a tese defendida pelo senador e presidente estadual da legenda, José Maranhão. Ele justifica isto apontando que dentro do partido é possível ter várias vertentes de pensamento e de posicionamento político, sem acarretar dano aos filiados e aponta como exemplo, aqui na Paraíba, um PMDB dividido entre situação e oposição ao governador Ricardo Coutinho (PSB).

Comente