Suspensão do calendário de aulas na Paraíba passará por crivo de João e ‘gabinete de crise’

O secretário de Educação, Cláudio Furtado, ainda não tem definição sobre o status do calendário escolar nas redes de ensino da Paraíba, após mudanças devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Em live nesta terça-feira (14), o gestor da pasta educacional informou que o crivo da suspensão – ou outra ação – do calendário de aulas passará por uma decisão do governador João Azevêdo (Cidadania) juntamente com o ‘gabinete de crise do coronavírus’.

Também nesta tarde, foi informado que o Governo do Estado vai ampliar o isolamento social, com um novo decreto que vigorará até 3 de maio. O que deixou em dúvida a classe educacional e os pais de alunos, já que ainda não há detalhamento do texto do decreto – que não tem data para ser publicado no Diário Oficial do Estado.

+ João Azevêdo anuncia prorrogação de decreto que ordena fechamento do comércio e amplia isolamento social

“Será decidido por João e o gabinete de crise a manutenção da prorrogação dessa questão da suspensão do calendário. Quanto as medidas que a Secretaria de Educação possa tomar, o Conselho Estadual de Educação, está publicando uma resolução para, caso se configure uma suspensão de aulas, conteúdos adicionais sejam feitos por todas as redes – municipal, estadual e privada de ensino”, afirmou Cláudio Furtado.

Conforme o secretário, foram tomadas algumas medidas e assim que for anunciado a condução da suspensão do calendário a Secretaria tomará as medidas, por portaria, do que ela fará para manter a rede sem estar em aulas presenciais. “Mas mantendo toda rede conectadas com várias formas de ensino à distância, a novos conteúdos adicionais ministrados para que mobilize a rede nesse período”, acrescentou.

Ano letivo

“Temos uma portaria do Conselho Nacional de Educação que enquanto estiver em isolamento não tem mais a obrigação dos 200 dias letivos, mas sim das 800 horas, e que nesse período de suspensão não pode ser dado nenhum conteúdo que conte para essas horas. Então as redes precisam pensar em sistemas de ensino, para lidar com esse regime especial”, explicou o secretário.

Comente