Secretário de Saúde que debochava da CoronaVac é visto ‘furando fila’

Investigação foi aberta hoje pelo Ministério Público do Amapá após ele aparecer em uma foto tomando a vacina contra a Covid-19

Uma investigação foi aberta hoje pelo MP (Ministério Público) do Amapá contra o secretário de Saúde de Serra do Navio, Randolph Scoot, após ele aparecer em uma foto tomando a vacina contra um covid-19. O inquérito quer saber se gestor o gestor “se beneficiou da carga em detrimento de profissionais de saúde”.

A imagem circulou nas redes sociais e gerou críticas ao secretário por não ser profissional da saúde e por ter questionado em seu perfil a eficácia da CoronaVac, imunizante usado na vacinação, produzido pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês SinoVac.

De acordo com o Plano de Imunização de Serra do Navio, serão imunizados “todos os trabalhadores da Saúde”, abrangendo todas as especialidades e funções das equipes de multiprofissionais.

O Amapá recebeu na terça-feira (19) pouco mais de 30 mil doses do imunizante para ser distribuído aos municípios. No mesmo dia, a Serra do Navio recebeu um lote com 89 doses.

Ao UOL, Scoot disse que atua na linha de frente de combate à pandemia por se reunir cotidianamente com profissionais de saúde e a comunidade.

“Temos quase 90 trabalhadores. Um deles sou eu, que estou direto na linha de combate. Vamos levar nosso plano de imunização ao MP e relatórios das nossas ações que geraram até prêmios de combate à pandemia. Quem coordena, reúne com a comunidade e demais servidores sou eu, pois sou secretário e estou nessa linha de frente”, justificou.

O MP pediu que o secretário se manifeste em até 48 horas. Caso seja constatado alguma irregularidade, ele pode responder por improbidade administrativa na esfera cível e por infração de medida sanitária preventiva no âmbito criminoso.

Meses antes, secretário criticou vacina

Scoot tomou a vacina meses depois de usar as redes sociais para criticar a CoronaVac.

“O doente mental quer obrigar nosso povo a usar a vacina chinesa. Já não basta a deste vírus chinês?, escreveu o secretário em 22 de outubro, em referência ao governador de São Paulo, João Dória (PSDB), que negociou com o laboratório chinês SinoVac a parceria da fabricação do imunizante pelo Instituto Butantan.

Em outra postagem, no mesmo dia, Scoot mais uma vez atacou a vacina que meses depois tomou. “Nós não somos cobaias”, refuta.

Questionado pelo UOL, Scoot afirmou que “não tomou vacina da China” para se imunizar contra um covid-19. “Tomei [a vacina] do Butantan”, diz o secretário — vale ressaltar que todas as vacinas da CoronaVac que estão no Brasil ainda são importadas da China.

“Sou eu batendo porque politizar uma crise mundial. Tanto o pessoal de Bolsonaro quanto do PT está politizando a pandemia. Além de ser diabético, meu médico recomendou que eu tomasse porque sou hipertenso, diabético e bariátrico. Eu não queria, mas o médico disse que deveria tomar e por esse motivo fui vacinado”, declarou.

Do UOL