Secretário de Saúde nega informações sobre OSs e desmente oposição na ALPB

O secretário de Saúde do Governo do Estado, Geraldo Medeiros, desmentiu as informações divulgadas pela imprensa, e repercutidas pela bancada de oposição na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) nesta quinta-feira (15).

Na oportunidades, parlamentares oposicionistas declararam que o secretário teria dito que a gestão direta – por parte do próprio Estado – seria mais barata do que a realizada por organizações sociais.

O secretário também negou que tenha informado que aconteceram pagamentos duplicados à Cruz Vermelha.

Confira nota na íntegra

Sobre matéria publicada em portais de notícias nesta quinta, 15 de Agosto, repercutindo a fala do secretário de Saúde, Dr. Geraldo Medeiros, durante Audiência Pública de Prestação de Contas dos recursos investidos em saúde referente ao 1º Quadrimestre de 2019, a Secretaria de Estado da Saúde repõe a verdade ao esclarecer que:

  1. O Secretário, Dr. Geraldo Medeiros, NÃO afirmou que o Estado da Paraíba fez pagamentos em duplicidade a Cruz Vermelha Brasileira, Organização Social que administrou o Hospital de Trauma de João Pessoa. Após a apresentação, deputados questionaram sobre o bloqueio dos recursos repassados a Gerir, Organização Social que Administrava o Hospital Regional de Patos e a Maternidade Peregrino Filho, neste momento o secretário afirmou que,”para não haver duplicidade de pagamento a Gerir, o Estado consultou os órgãos de controle e a justiça do trabalho, para que pudesse garantir o funcionamentos dos hospitais e o pagamento dos servidores sem o descumprimento da lei.

2. O Secretário também NÃO afirmou que a gestão direta é mais barata que a realizada por OSs. A pergunta feita pela deputada era sobre a diferença do repasse entre as unidades de gestão própria e as geridas por OS. O secretário explicou que os custos são semelhantes, uma vez que nas unidades com gestão própria a folha de pagamento de pessoal são realizadas pela Secretaria de Administração e os contratos de manutenção de equipamentos são realizados diretamente pela SES. Nas unidades de gestão compartilhada, todos estes custos estão inclusos no contrato .

Por fim, o secretário reafirma a importância da Assembleia Legislativa nos espaços de debate democrático e de prestação de contas para a população.

Comente