Ronaldo vê autoritarismo no PSB e dispara: “o governador eleito pelo povo chama-se João”

O professor Ronaldo Barbosa, ex-presidente do Diretório Municipal do PSB em João Pessoa, lamentou nesta quarta-feira (2), durante entrevista concedida à Rádio Correio FM, a crise que se instalou no partido após a intervenção da Executiva Nacional na Direção Estadual da legenda, que culminou com a destituição do cargo do então presidente da sigla na Paraíba, Edvaldo Rosas.

Para Ronaldo, Edvaldo e os demais integrantes do Diretório Estadual que não se submeteram à pressão para renunciar foram vítimas de golpe. “Não havia necessidade de se fazer esse golpe. Isso acabou gerando uma revolta foi geral”, ressaltou.

O ex-presidente revelou que até hoje não sabe os reais motivos que motivaram a crise no PSB paraibano, e aproveitou para reforçar a liderança do governador João Azevêdo.

“O governador João Azevêdo errou aonde? Se alguém quiser governar com o CPF de João não vai conseguir nem iria nunca, porque o governador eleito pelo povo chama-se João Azevêdo”, disparou Ronaldo Barbosa.

Questionado sobre a renúncia em massa de diretorianos do PSB da Capital, o ex-presidente explicou que o ato foi uma resposta ao que ocorreu no Diretório Estadual.

“Isso começou desde a semana passada, quando eu fui o primeiro a pedir a renúncia e externei minha insatisfação. Depois disso, ocorreu uma renúncia em cadeia de forma generalizada, porque as pessoas até hoje querem saber qual foi o motivo dessa discórdia toda no partido”, pontuou.

Ronaldo fez questão de ressaltar que o Diretório do PSB em João Pessoa era atuante e que, por isso, os filiados da Capital aceitaram como se deu o processo na instância estadual.

“O diretório (em João Pessoa) nunca deixou de funcionar, tem uma militância forjada na luta e é uma militância que não engole as coisas assim de garganta adentro. Na verdade, foi uma reação em cadeia contra o autoritarismo que ocorreu na intervenção estadual”, observou.

Por fim, Ronaldo Barbosa apontou a deputada estadual Estela Bezerra, o deputado federal Gevásio Maia e o ex-governador Ricardo Coutinho como responsáveis pelo imbróglio no PSB paraibano.

Acompanhe abaixo trecho a entrevista concedida por Ronaldo Barbosa à Rádio Correio FM:

Comente