- Publicidade -
Política

Raissa: a culpa desse folclore, desse conto do país das maravilhas na Saúde de JP é de Fulgêncio

Com as Unidades de Saúde da Família (USFs) faltando médicos e o Complexo Hospitalar de Mangabeira, o Trauminha, abandonado e agora de recepção bloqueada, a vereadora Raissa Lacerda (PSD) foi assertiva ao apontar o responsável pelo problemas na gestão da Saúde, em João Pessoa.

- Continua depois da publicidade -

“Quem tem culpa desse imbróglio, mentira, folclore e desse conto do país das maravilhas na Saúde de João Pessoa é o secretário Adalberto Fulgêncio. Ele não tem palavra. Nos PSFs, não está faltando só médico, não. está tudo sucateado”, afirmou.

Na manhã desta quinta-feira (23), o Paraíba Já trouxe à tona a realidade do Trauminha. O hospital não dispõe de condições básicas de higiene, tampouco faz jus ao discurso do prefeito Luciano Cartaxo, quando diz aos pessoenses que a saúde de João Pessoa faz parte de um atendimento humanizado. De acordo com fotos e vídeos, o Trauminha está totalmente sucateado, não trazendo o mínimo de conforto e estrutura aos usuários que precisem dos seus serviços.

O hospital dispõe para seus pacientes janelas das enfermarias quebradas, sendo seguradas por pedaços de madeira, além de estar com poeiras e ácaros. A fachada do hospital está totalmente sucateada, com fios expostos e sujeira em toda parte. O condensador do ar-condicionado enferrujando, com lodo e instalações precárias. Pacientes ficam nas cadeiras de rodas dentro do hospital, sem nenhum conforto e segurando o soro na mão. Além de, de acordo com o vídeo encaminhado, os próprios pacientes usam o braço para locomover a cadeira, enquanto os maqueiros ficam sentados usando o celular.

Comente

Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
Facebook, Twitter e Youtube.

Interaja com o Paraíba Já:
E-mail: [email protected] | WhatsApp: (83) 98176 - 1651

Edilane Ferreira

Jornalista, radialista e utopista. Editora-chefe do Paraíba Já. Contato: [email protected]

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar