Quadrilha ataca agência bancária, faz reféns e deixa três pessoas mortas

Para monitorar os policiais, os criminosos contaram com o auxílio de drone. Eles também fecharam algumas entradas da cidade para evitar que equipes cheguem ao local

Criminosos fortemente armados atacaram três agências bancárias no Centro de Araçatuba (SP), no início da madrugada desta segunda-feira (30). Pelo menos três pessoas morreram, segundo a Polícia Civil, sendo dois moradores e um criminoso. Ainda não foi informada quais foram as circunstâncias das mortes. Dois suspeitos foram presos.

Resumo:

  • Criminosos abordaram pedestres e motoristas e os fizeram reféns na cidade;
  • Três agências foram atacadas;
  • Dois suspeitos foram presos;
  • Reféns foram colocados em cima do carro;
  • Para monitorar os policiais, os criminosos contaram com o auxílio de drone;
  • PM isolou ruas e orienta que os moradores de Araçatuba não saiam de casa até que a situação esteja controlada, pois há explosivos espalhados pela cidade;
  • Aulas estão suspensas, segundo prefeito.

A cidade de Araçatuba fica na região noroeste de SP e tem cerca de 200 mil habitantes.

Após o ataque às agências, os criminosos abordaram pedestres e motoristas e os fizeram reféns na cidade. Eles também cercaram bases da Polícia Militar e viaturas.

Em vídeos que circularam nas redes sociais, algumas vítimas aparecem em uma espécie de “escudo humano” dos criminosos e sobre carros. Outras imagens mostram eles atirando pela cidade.

Para monitorar os policiais, os criminosos contaram com o auxílio de drone. Eles também fecharam algumas entradas da cidade para evitar que equipes cheguem ao local, segundo a polícia.

Após o crime, moradores também relataram que encontraram explosivos e munições nas ruas da cidade. Lojas também ficaram danificadas.

A Polícia Militar isolou algumas ruas da cidade e orienta que os moradores de Araçatuba não saiam de casa até que a situação esteja controlada, pois há explosivos espalhados pela cidade e que podem ser acionados por calor ou movimento.

Devido à gravidade da ocorrência, o Batalhão de Ações Especiais da Polícia (Baep) de São José do Rio Preto (SP) foi acionado para auxiliar no caso.

“É uma sensação horrível, um horror. Moro a poucas quadras do Centro. Ouvi todos os tiros, acompanhando através de vídeos. Não saí de casa e peço à população que fique em casa”, disse o prefeito Dilador Borges.

“Quando iniciou tudo isso, sentimos o drama que seria nossa noite, entrei em contato com o governador João Doria, que através do secretário de Segurança disse que viria reforço de Rio Preto, Bauru e Prudente”, completou Borges.

Do G1