Prejuízo com as chuvas no Rio Grande do Sul já passa de R$ 8,9 bilhões

Confederação Nacional de Municípios (CNM) aumentou a estimativa de prejuízos decorrentes das chuvas no Rio Grande do Sul. Segundo balanço da entidade, os municípios gaúchos afetados pelos temporais desde o fim de abril já contabilizam mais de R$ 8,9 bilhões de prejuízos financeiros: R$ 2,4 bilhões no setor público, R$ 1,9 bilhão na iniciativa privada e R$ 4,6 bilhões no segmento habitacional.

Até o momento, foram registrados impactos em 105,6 mil habitações.

A entidade de municípios, que acompanha diariamente a situação, reforça que os dados são parciais, uma vez que as gestões locais enfrentam dificuldades de inserir as informações nos sistemas.

A tragédia já soma 148 mortes confirmadas e 124 pessoas desaparecidas, de acordo com boletim da Defesa Civil divulgado nesta terça-feira (14/5). Até o momento, mais de 70 mil pessoas estão em abrigos e 538 mil seguem desalojadas. Não há óbitos em investigação.

Há 446 municípios afetados, segundo a Defesa Civil estadual. Destes, 397 foram reconhecidos pelo governo federal em estado de calamidade pública, dos quais 331 registraram os decretos no sistema federal.

Apenas 73 municípios começaram a inserir os valores de prejuízos públicos e privados. Portanto, o total de R$ 8,9 bilhões diz respeito aos prejuízos de 73 cidades.

Impacto nas habitações

  • Danificadas: 96,5 mil;
  • Destruídas: 9,1 mil;
  • Total de unidades habitacionais: mais de 105,6 mil;
  • Prejuízos na habitação: R$ 4,6 bilhões.

Principais setores públicos afetados:

  • Danos materiais (instalações públicas como escolas, hospitais, prefeituras, prédios de serviços públicos, instalações de usos comunitários etc.): R$ 428 milhões em prejuízos;
  • Obras de infraestrutura (pontes, calçamento, asfaltamento de ruas e avenidas, viadutos, sistemas de drenagens urbanas etc.): R$ 1,7 bilhão em prejuízos;
  • Sistema de transportes: R$ 83,6 milhões em prejuízos;
  • Assistência médica emergencial: R$ 8,8 milhões em prejuízos;
  • Sistema de esgotamento sanitário: R$ 18,5 milhões em prejuízos;
  • Limpeza urbana e remoção de escombros (recolhimento e destinação): R$ 37,7 milhões em prejuízos;
  • Geração e distribuição de energia elétrica: R$ 4,8 milhões em prejuízos;
  • Sistema de ensino: R$ 83,8 milhões em prejuízos;
  • Abastecimento de água: R$ 11 milhões em prejuízos;
  • Sistema de controle de pragas e vetores (desinfestação e desinfecção): R$ 1,2 milhão em prejuízos;
  • Distribuição de combustíveis: R$ 2,1 milhões em prejuízos;
  • Segurança pública: R$ 2 milhões em prejuízos; e
  • Telecomunicações: R$ 965 mil.

Principais setores privados afetados

  • Agricultura: R$ 1,3 bilhão em prejuízos;
  • Pecuária: R$ 165,3 milhões em prejuízos;
  • Indústria: R$ 255,5 milhões em prejuízos;
  • Comércios locais: R$ 127,5 milhões em prejuízos; e
  • Demais serviços: R$ 84,5 milhões em prejuízos. Do g1.