Prefeito de Cuitegi tem 10 dias para apresentar defesa sobre compra de votos

Conforme denúncia, Geraldo Serafim, então candidato na cidade, foi visto distribuindo tijolos, faltando apenas quatro dias para as eleições

O Ministério Público Eleitoral (MPE) da 11ª Zona Eleitoral de Areia estabeleceu o prazo de 10 dias para que o prefeito do município de Cuitegi, Geraldo Serafim (PSDB), apresente defesa acerca da denúncia de entrega de tijolos em troca de votos no município, poucos dias antes das eleições municipais.

+ Candidato a prefeito de Cuitegi vai parar na polícia após ter caminhão apreendido

De acordo com a denúncia, no dia 11 de novembro de 2020, foi relatado que Geraldo Serafim, então candidato na cidade, havia sido visto distribuindo tijolos em troca de votos. Na ocasião, a Polícia Militar foi acionada e realizou rondas, quando constatou o caminhão carregado de tijolos em uma rua da cidade.

Ainda conforme o documento, o motorista que conduzia o veículo informou, durante a abordagem, que havia realizado a entrega dos tijolos em mais três localidades. Ele apresentou notas fiscais com informações contraditórias, “fato que demonstra que os denunciados estavam entregando mercadorias (tijolos) em troca de votos, motivo pelo qual foi acionado o Fisco Estadual, o qual enviou equipes de fiscais ao local e apreenderam a mercadoria, lavrando o auto de atuação fiscal.”

Os policiais entraram em contato com os compradores listados nas notas fiscais, no entanto, a companheira de um dos supostos clientes informou que ele havia comprado os tijolos, mas não soube informar a quantidade adquirida nem o valor pago por ele. Já no caso do segundo homem que teria contratado o serviço, a esposa declarou que ele teria feito a aquisição de 500 tijolos para construção de um banheiro em sua residência e que teria pago em torno de R$ 280,00 a R$ 300,00 pela compra, valor que difere do listado no recibo (R$ 250,00) e na nota fiscal (R$ 100,00).

O caminhão carregado de tijolos e o celular, de propriedade do motorista, foram apreendidos e ele foi preso em flagrante e encaminhado à delegacia.

No dia do ocorrido, Francisco Edinaldo Souza Leite, conhecido por “Chico Mala”, também candidato a prefeito, estava no local uso o próprio carro para tentar manter o caminhão carregado de tijolos até que a polícia chegasse. Após isso, Geraldo Serafim deu vários socos no veículo de “Chico Mala”, e o ameaçou, afirmando que, “se ele não tirasse o carro da frente do caminhão, passaria por cima”.

Durante a oitiva, Geraldo declarou ser proprietário de uma “Cerâmica”, que o veículo apreendido era seu e que o condutor era seu funcionário. Conforme ele, as entregas estariam relacionadas aos serviços prestados por sua empresa. O gestor pagou R$ 10 mil para que o motorista respondesse a acusação em liberdade.

“É importante destacar ainda que, estranhamente, todas essas entregas dos tijolos foram realizadas no dia 11 de novembro de 2020, quatro dias antes das eleições. Além disso, a maioria dos nomes e endereços constantes nas anotações de entrega não consta nas notas fiscais, o que também demonstra que os denunciados estavam realizando entregas aos referidos eleitores em troca de votos”, destacou em trecho do documento.