A Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) decidiu não se pronunciar sobre as gravações publicadas hoje pelo Paraíba Já de uma reunião entre os secretários de Saúde de João Pessoa, Adalberto Fulgêncio, e o de Desenvolvimento Social, Diego Tavares, em que combinam como arrecadar recursos públicos para a campanha eleitoral do ano passado. O posicionamento foi dado pela Secretaria de Comunicação da Prefeitura, quando procurada pela reportagem do Paraíba Já.

Após a publicação, vereadores como o líder da oposição na Câmara, Marcos Henriques (PT) e a vereadora Raíssa Lacerda (PSD) já se posicionaram sobre o assunto, exigindo apuração das denúncias. Marcos Henriques destacou, ainda, que a conversa envolve diretamente o prefeito. “Logicamente, toda essa responsabilidade precisa ser apurada”, pontuou.

Publicidade

Entenda o caso 

O diálogo da gravação ocorreu no final de março de 2018, em que Diego, à época, ainda ocupava a superintendência do Instituto de Previdência de João Pessoa (IPM).  A Polícia Federal já estaria de posse áudio, seria a partir de escutas provenientes da Operação Irerês, que investiga o desvio de R$ 10 milhões da gestão do prefeito Luciano Cartaxo (PV).

Durante o diálogo, Fulgêncio cita duas empresas que fornecem serviços para a Saúde de João Pessoa, em que os empresários teriam uma relação mais direta, de “intimidade” e que poderiam “desviar” recursos públicos de contratos celebrados com a Prefeitura de João Pessoa.

Comente