Publicidade
Política

Partidos intensificam buscas para novas filiações com objetivo de chegar ao processo eleitoral fortalecidos

Faltando praticamente um mês para abertura da ‘janela partidária’ muitos partidos na Paraíba intensificam o processo de articulação para manter seus quadros e até mesmo ampliá-los com objetivo de chegar ao processo eleitoral fortalecidos. Entre as legendas, o que mais trabalha para manter os filiados, principalmente com mandatos, é o MDB, comandado pelo senador José Maranhão. Por outro lado, ele também atua para conseguir novas aquisições para sigla.

- Continua depois da publicidade -

Maranhão tem sofrido pressão por parte de diversos emedebistas pela sua colocação como pré-candidato ao Governo da Paraíba. Por conta disso, os integrantes temem que a legenda não receba apoio de outras siglas e assim, não consiga formar uma chapa proporcional forte que garanta a eleição e até a reeleição de alguns.

O senador chegou a reunir os deputados estaduais e federais da legenda para uma conversa sobre a permanência deles na sigla. Durante o encontro, ele garantiu que está buscando apoios a sua pré-candidatura e afirmou ter conversas adiantadas com partidos como o PSC, PHS e PR.

No MDB existe a possibilidade de saída dos deputados estaduais Nabor Wanderley e Jullys Roberto e dos federais Veneziano Vital do Rêgo e Hugo Motta. Eles também estariam insatisfeitos com o lançamento da pré-candidatura do senador ao Governo do Estado, quando gostariam de levar o partido para apoiar a pré-candidatura do PSB, comandada pelo governador Ricardo Coutinho.

O senador José Maranhão chegou a dizer que não existe insatisfação no partido e muito menos o desejo de filiados em deixar a legenda. “As pessoas acusadas por isso são os deputados Nabor e Hugo Motta. Os dois disseram que é mentira. Usaram até essa expressão, mentira, que é muito forte, para dizer que não estão de acordo com este tipo de especulação”, revelou o senador.

Maranhão disse ainda que não tem nenhuma inflexibilidade sobre candidaturas. Ele explicou que foi a Executiva Estadual que, em março do ano passado, o indicou como candidato a governador do Estado e que todos fizeram apelo para que ele aceitasse. “E eu aceitei. Agora, quem decide sobre candidaturas é o povo”, afirmou.

Sobre uma possível aliança com o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PSD), o senador disse que não é descartada essa possibilidade. Ela acredita que o gestor pode retribuir apoios passados.

“É legítimo o MDB esperar uma aliança, até em retribuição aos apoios que o MDB já deu em outras oportunidades ao prefeito Luciano. E essa relação não pode ser unilateral, né”, indagou Maranhão na esperança do apoio.

Fortalecimento . O senador José Maranhão revelou também que já mantém conversas com algumas lideranças sobre filiações. Entre os cobiçados estão o deputado estadual João Henrique e a ex-prefeita de Monteiro, Edna Henrique, além do suplente de deputado Guilherme Almeida.

Apoio

Os deputados estaduais e federais deram um prazo para que Maranhão apresente número de partidos.

Chegada aos 223 municípios da Paraíba

Na busca por fortalecer a legenda para as eleições deste ano e garantir a votação necessária para se livrar da Cláusula de Barreira, o presidente estadual do PHS, Benjamin Paiva, mantém diálogos com políticos e lideranças de todo o Estado. O objetivo do dirigente partidário é implementar diretórios aos 223 municípios antes das eleições de outubro.

“Estamos conversando com as pessoas e buscando novas filiações para as eleições deste ano. Temos como certa a filiação de pelo menos três políticos com mandatos até o mês de abril, quando abre o prazo da janela partidária”, revelou o presidente.

Benjamin Paiva disse ainda que mantém as conversas com outras lideranças para se filiarem ao partido. Ele revelou ainda que a legenda já fechou questão com a pré-candidatura do senador José Maranhão do Governo do Estado. “Conversamos e iremos apoiar o senador nas eleições deste ano. Estive com ele em Brasília e conversamos sobre o processo de aliança e a confirmação do apoio”, destacou.

Assim como o PPS, o PHS também tem regras para aceitar filiações de políticos com mandatos. “É preciso dar chances as pessoas que não tem mandato e por isso analisamos caso a caso. Recebemos muitos deputados estaduais que estão em busca de uma nova legenda e estamos conversando sobre isso. Até abril informaremos a nossa decisão”, disse.

Quem também corre para buscar novos filiados é o presidente estadual do PSD, Rômulo Gouveia. Ele revelou que está percorrendo todo o estado conversando com lideranças e apresentando o projeto do PSD para as eleições deste ano.

“Estamos sempre em busca de fortalecer a legenda com novos filiados. É preciso fazer essas composições para garantir candidaturas competitivas, principalmente em ano eleitoral”, afirmou Gouveia.

Prioridade para a proporcional

Uma reunião realizada na sede do PRTB definiu, pelo menos por enquanto, a aliança de seis partidos antes mesmo do prazo final de filiações de 7 de abril. Os presidentes das legendas decidiram marchar juntos para disputar as eleições de deputados estadual e federal nas eleições de outubro.

Além do PRTB, estiveram presentes na reunião dirigentes do PPS, Rede, PV, DEM e Podemos. Os seis partidos juntos já somam mais de 70 candidatos a Assembleia e em torno de 20 nomes para a Câmara Federal. Algumas dessas legendas farão aliança apenas no âmbito estadual e outras para o Congresso Nacional.

O presidente do PRTB, Fábio Carneiro, disse que a decisão destas legendas em se unirem desde já “passa uma segurança a todos os candidatos que já estão filiados e os que ainda estão procurando coligações que ofereçam a possibilidade de se competir em boas condições de competitividade”.

Já o vice-presidente do PPS, Ronaldo Guerra, defendeu que essas seis legendas passem a atuar como se fossem um único partido a partir desta reunião. Um dos coordenadores da Rede presentes à reunião, Gerson Vasconcelos, disse que este grupo de partidos precisa estar aberto também a outras legendas que venham somar e tenham o mesmo perfil, podendo a aliança ser feita separadamente para deputado federal e para os que pleiteiam um mandato no legislativo estadual.

PRB busca apoio

O presidente estadual do PRB, Jutay Meneses, está trabalhando para garantir o fortalecimento da legenda para o pleito deste ano. Pré-candidato a deputado federal, ele aposta em novas filiações que possam garantir o sucesso eleitoral da legenda.

Sobre a possível filiação do deputado federal Hugo Motta (MDB) ao PRB, o presidente Jutay Meneses disse que já tinha feito convite desde a eleição de 2014 e aguarda o posicionamento do parlamentar. Mas o presidente deixou claro que o emedebista chegaria à legenda como soldado e não como comandante.

“O presidente nacional do PRB ligou e perguntou se aceitava a filiação e iniciamos um diálogo deixando bem claro que poderia se filiar para ser um soldado e não um general. Eu poderia até mesmo abrir mão das candidaturas de deputado federal e estadual para fortalecer o partido”, revelou Jutay.

Outro que também pode se filiar ao PRB é o deputado estadual Nabor Wanderley (MDB). Esta semana ele chegou a colocar que pode mesmo deixar o MDB. Nabor é contra que o partido faça o mesmo movimento que fez no pleito de 2014, quando disputou as eleições proporcionais sem se coligar com nenhum partido. Para Nabor, que foi eleito com 40.138 votos, o MDB não deveria cometer o mesmo erro de 2014.

Garantia

Jutay Meneses vai disputar uma das cadeiras da Câmara dos Deputados a pedido da Executiva Nacional. Fonte Correio da Paraiba

Comente

Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
Facebook, Twitter e Youtube.

Interaja com o Paraíba Já:
E-mail: [email protected] | WhatsApp: (83) 98176 - 1651

Thaysa Videres

Jornalista - Assessoria de Comunicação do Hospital Clementino Fraga - Assessora Parlamentar - Repórter - [email protected]

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar