Paraibano marca na final e futebol brasileiro conquista o ouro em Tóquio

Matheus Cunha e Oyarzabal marcaram no tempo normal. Malcom fez o gol decisivo nos primeiros minutos do segundo tempo da prorrogação

SAO PAULO, BRAZIL - SEPTEMBER 09: Matheus Cunha #09 of Brazil celebrates after scoring the second goal of his team during the Olympic Soccer Friendly match against Chile at Pacaembu Stadium on September 09, 2019 in Sao Paulo, Brazil. (Photo by Alexandre Schneider/Getty Images)

O Brasil venceu a Espanha por 2 a 1 na prorrogação e conquistou hoje (7) a medalha de ouro do futebol masculino nos Jogos Olímpicos de Tóquio. O paraibano Matheus Cunha e Oyarzabal marcaram no tempo normal e Malcom fez o gol decisivo nos primeiros minutos do segundo tempo da prorrogação. O jogo foi realizado no Estádio Internacional de Yokohama

Este é o bicampeonato olímpico da seleção brasileira, que conquistou o inédito ouro na modalidade depois de 12 tentativas na Rio-2016 e agora se candidata a potência com apenas um título a menos do que Hungria e Grã-Bretanha e os mesmos dois que ostentam Argentina, União Soviética e Uruguai. Que venha Paris-2024!

Destaque nos 90 minutos

Cunha - Gaspar Nóbrega/COB - Gaspar Nóbrega/COB
Matheus Cunha comemora seu gol pelo Brasil sobre a Espanha acompanhado de Antony Imagem: Gaspar Nóbrega/COB

Matheus Cunha era dúvida até momentos antes de a bola rolar por causa de uma contratura muscular na coxa esquerda que o fez desfalque contra o México. Mesmo sem estar 100%, foi escalado e teve atuação importante em Yokohama. Ele fez o gol num lance típico de centroavante no primeiro tempo e incomodou a defesa alemã com movimentação constante e passes para abrir a marcação. O jogador mais importante (e artilheiro) do ciclo olímpico não podia ficar fora da decisão. Foi substituído entre o tempo normal e a prorrogação mesmo jogando bem.

Pênalti perdido e nervosismo

Richarlison - Gaspar Nóbrega/COB - Gaspar Nóbrega/COB
Richarlison desperdiçou uma cobrança de pênalti na partida entre Brasil e Espanha Imagem: Gaspar Nóbrega/COB

Artilheiro das Olimpíadas, Richarlison aparentou nervosismo ao longo da partida. No primeiro tempo, por exemplo, foi o jogador que mais cometeu faltas — uma delas, sobre Eric Garcia, gerou cartão amarelo aos 30 minutos, o que fez com que ele medisse a intensidade em todos os lances. O camisa 10 ainda isolou uma cobrança de pênalti e não conseguiu dar fluidez às jogadas que participou.

Duelo estratégico

Antony - Lucas Figueiredo/CBF - Lucas Figueiredo/CBF
Antony durante partida entre Brasil e Espanha pela final das Olimpíadas de Tóquio Imagem: Lucas Figueiredo/CBF

Nenhuma das seleções abriu mão de sua forma de jogar no primeiro tempo, o que significa que foi uma disputa intensa pela posse de bola desde os primeiros minutos. Enquanto a Espanha congestionou o meio-campo para fazer uma marcação avançada, criar linha de passe e ter chances de gol a partir de erros, o Brasil viu logo cedo que a alternativa para sair desse sufoco seria pelos lados, com Antony e Guilherme Arana bem abertos nas costas dos volantes com o apoio de Daniel Alves e Claudinho mais recuados.

Richarlison teve uma oportunidade que pegou na rede pelo lado de fora depois de um passe de Arana, a Espanha também incomodou com um cabeceio de Oyarzábal que Diego Carlos salvou em cima da linha, mas o jogo só começou a desenrolar depois da metade do primeiro tempo a favor do Brasil. Aos 33 minutos, Matheus Cunha foi atingido na área pelo goleiro Unai Simón depois de uma bola levantada em falta lateral pela esquerda e o árbitro marcou pênalti com auxílio do VAR.

Richarlison isolou a cobrança, mas o momento do jogo já mostrava superioridade da equipe, que abriu o placar já nos acréscimos em uma jogada com participação de Claudinho e Daniel Alves concluída por Matheus Cunha. A estratégia deu certo, tanto é que a Espanha já mudou dois jogadores no intervalo. O jogo ficou mais aberto no segundo tempo e o Brasil teve duas chances logo de cara: com Antony após passe de Bruno Guimarães e outra em que Matheus Cunha deu um pique e tocou para Richarlison, que driblou e chutou, mas bateu no travessão.

O problema é que as mudanças da Espanha deram resultado, porque foi numa jogada de Soler que Oyarzabal empatou o placar com um golaço. O jogo ficou incômodo a partir deste momento, mas as melhores chances apareceram só na reta final, em finalizações de Soler e Bryan Gil na trave. Enquanto o Brasil não fez alterações e terminou o tempo normal desgastado fisicamente, a Espanha empilhava chances.

Como foi a prorrogação

Malcom - Francois Nel/Getty Images - Francois Nel/Getty Images
Malcom, autor do segundo gol do Brasil na final contra a Espanha nos Jogos de Tóquio Imagem: Francois Nel/Getty Images

Jardine lançou Malcom no intervalo após o tempo normal, enquanto Luis De la Fuente refrescou as laterais. O Brasil voltou mais intenso e teve chances com o próprio Malcom numa trama com Arana e Claudinho, com Claudinho num chute de fora da área depois de erro espanhol na saída de bola e com Arana para defesa de Simón. Reinier entrou no segundo tempo da prorrogação. Aos dois minutos, um contra-ataque em velocidade mostrou que o domínio do Brasil nesta etapa do jogo não era à toa e o segundo gol foi marcado por Malcom após lindo lançamento de Antony. Depois foi só segurar e correr para o abraço.

Os gols

Matheus Cunha - Lucas Figueiredo/CBF - Lucas Figueiredo/CBF
Matheus Cunha comemora o seu gol pelo Brasil sobre a Espanha na final das Olimpíadas de Tóquio Imagem: Lucas Figueiredo/CBF

Matheus Cunha balançou as redes aos 46 minutos do primeiro tempo. Numa jogada pela esquerda, Claudinho virou o jogo da esquerda e Daniel Alves recuperou praticamente em cima da linha para servir o camisa 9 dentro da área, com finalização sem defesa. A Espanha conseguiu o empate aos 14 minutos da etapa complementar, numa descida de Soler nas costas de Guilherme Arana em que o cruzamento encontrou Oyarzabal por trás do outro lateral, Daniel Alves.

Aos dois minutos do segundo tempo da prorrogação, Antony iniciou contra-ataque na defesa e lançou Malcom em velocidade. Um dos únicos jogadores descansados do Brasil fintou Eric Garcia e bateu com categoria para fazer o gol da vitória do Brasil.

FICHA TÉCNICA
BRASIL 2 x 1 ESPANHA

Competição: Jogos Olímpicos de Tóquio, final do futebol masculino
Local: Estádio Internacional de Yokohama, em Yokohama (Japão)
Data/hora: 7 de agosto de 2021 (sábado), às 8h30 (de Brasília)
Árbitro: Chris Beath (Austrália)
Assistentes: Anton Shchetinin e George Lakrindis (ambos da Austrália)
VAR: Abdulla Al-Marri (Qatar)
Cartões amarelos: Guilherme Arana, Richarlison, Matheus Cunha, Douglas Luiz (Brasil), Eric Garcia, Bryan Gil (Espanha)

GOLS: Matheus Cunha, aos 46/1ºT (1-0), Oyarzabal, aos 14/2ºT (1-1), Malcom, aos 2/2ºT da prorrogação (2-1)

BRASIL: Santos; Daniel Alves, Nino, Diego Carlos e Guilherme Arana; Douglas Luiz, Bruno Guimarães e Claudinho (Reinier, no intervalo da prorrogação); Antony (Gabriel Menino, aos 6/2ºT da prorrogação), Matheus Cunha (Malcom, entre o tempo normal e a prorrogação) e Richarlison (Paulinho, aos 8/2ºT da prorrogação). Técnico: André Jardine.

ESPANHA: Unai Simón; Óscar Gil (Vallejo, entre o tempo normal e a prorrogação), Eric Garcia, Pau Torres e Cucurella (Juan Miranda, entre o tempo normal e a prorrogação); Zubimendi (Moncayola, aos 6/2ºT da prorrogação), Mikel Merino (Soler, no intervalo) e Pedri; Asensio (Bryan Gil, no intervalo), Dani Olmo e Oyarzabal (Rafa Mir, aos 13/1ºT da prorrogação). Técnico: Luis De la Fuente.

Com o Uol.