Paraibano ‘amarga’ as últimas colocações na disputa pelo Governo do DF

Pesquisa do Instituto Quaest aponta que atual chefe do Executivo e ex-governador lideram a corrida ao Palácio do Buriti e se enfrentariam no segundo turno

Paraibano ‘amarga’ as últimas colocações na disputa pelo Governo do DF
Palácio do Buriti, sede do Governo do Distrito Federal - Foto: Lúcio Bernardo Jr/Agência Brasília

Pré-candidato ao Governo do Distrito Federal pelo DC (Democracia Cristã) nas eleições deste ano, o publicitário paraibano Lucas Salles amarga as últimas colocações na disputa ao Palácio do Buriti. É o que aponta pesquisa realizada pelo Instituto Quaest, divulgada neste domingo (17) pelo Jornal Correio Braziliense.

Contratada pelo Diários Associados, a pesquisa aponta empate técnico na liderança pelo Governo do Distrito Federal. Em todos os cenários levantados pelo Instituto Quaest, o atual governador Ibaneis Rocha (MDB) aparece empatado tecnicamente com o ex-governador José Roberto Arruda (PL).

No primeiro cenário, Ibaneis Rocha tem 28% das intenções de voto e o ex-governador José Roberto Arruda 25%. “Um quadro tecnicamente empatado, considerando que a margem de erro é de 2,5 pontos percentuais para mais ou para menos, com margem de confiança de 95%”, descreve o jornal.

“Esse cenário leva em conta o maior número de candidaturas ao Palácio do Buriti na pesquisa estimulada, quando são apresentadas as opções para o entrevistado. Em todos os quadros testados pela pesquisa, há empate entre Ibaneis e Arruda, que estão bem à frente dos demais concorrentes”, acrescenta o Correio Braziliense.

Paraibano ‘amarga’ as últimas colocações na disputa pelo Governo do DF

“O senador José Antônio Reguffe (União) está em terceiro, com 11%, também empatado com a quarta colocada, a senadora Leila Barros (PDT), que aparece com 9%. O senador Izalci Lucas (PSDB) vem em seguida, com 5%, com o deputado Leandro Grass (PV), da federação PT-PV-PCdoB, colado, com 4%. O pré-candidato do PSB, Rafael Parente, registrou 2% e Keka Bagno (PSol), da federação PSol-Rede Sustentabilidade, tem 1%. Outros nomes na disputa, Lucas Salles (DC) e Robson da Silva (PSTU) não pontuaram, assim como João Vicente Goulart (PCdoB), que não vai concorrer ao governo”, prossegue o jornal.

Quem é Lucas Salles

Paraibano ‘amarga’ as últimas colocações na disputa pelo Governo do DF
Publicitário Lucas Salles – Foto: Divulgação

Natural de Campina Grande, Lucas Salles se notabilizou na Paraíba como publicitário e consultor de marketing em diversas campanhas eleitorais no Estado.

Ganhou projeção nacional em 2018, quando comandou o marketing da campanha do então candidato Jair Messias Bolsonaro no primeiro turno das eleições daquele ano.

Com mais de 30 anos de experiência em campanhas eleitorais, Lucas Salles foi o criador do conceito “Muda Brasil de verdade”, que deu a Jair Bolsonaro o primeiro lugar na votação do dia 7 de outubro de 2018.

No segundo turno das eleições presidenciais daquele ano, Lucas Salles foi afastado da campanha de Bolsonaro, após reportagem da Revista Época levantar suspeitas sobre uma das empresas ligadas ao publicitário paraibano. Em 2019, a revista foi condenada a pagar danos morais à empresa de Salles.

Clique aqui ou leia abaixo a matéria a matéria completa publicada no Correio Braziliense sobre a sucessão no Distrito Federal.

Ibaneis e Arruda empatam na corrida ao Buriti, mostra pesquisa Quaest

Pesquisa realizada pelo Instituto Quaest, contratada pelos Diários Associados, aponta que o governador Ibaneis Rocha (MDB) tem 28% das intenções de voto e o ex-governador José Roberto Arruda (PL), 25%. Um quadro tecnicamente empatado, considerando que a margem de erro é de 2,5 pontos percentuais para mais ou para menos, com margem de confiança de 95%.

Esse cenário leva em conta o maior número de candidaturas ao Palácio do Buriti na pesquisa estimulada, quando são apresentadas as opções para o entrevistado. Em todos os quadros testados pela pesquisa, há empate entre Ibaneis e Arruda, que estão bem à frente dos demais concorrentes.

O senador José Antônio Reguffe (União) está em terceiro, com 11%, também empatado com a quarta colocada, a senadora Leila Barros (PDT), que aparece com 9%. O senador Izalci Lucas (PSDB) vem em seguida, com 5%, com o deputado Leandro Grass (PV), da federação PT-PV-PCdoB, colado, com 4%. O pré-candidato do PSB, Rafael Parente, registrou 2% e Keka Bagno (PSol), da federação PSol-Rede Sustentabilidade, tem 1%.

Outros nomes na disputa, Lucas Salles (DC) e Robson da Silva (PSTU) não pontuaram, assim como João Vicente Goulart (PCdoB), que não vai concorrer ao governo.

Brancos, nulos e não pretendem votar somaram 10%, enquanto 5% estão indecisos. O Instituto Quaest foi a campo no Distrito Federal nos dias 11 a 14 de julho, com 1.500 entrevistas, numa semana em que houve vários fatos políticos importantes no Distrito Federal: Lula participou de atos em Brasília ao lado do deputado Leandro Grass e o governador Ibaneis Rocha anunciou a chapa com a deputada federal Celina Leão (PP) como vice e a ex-ministra da Família, Mulher e Direitos Humanos Damares Alves (Republicanos) como candidata ao Senado. Com a divisão na base de Ibaneis, foi reforçada a possibilidade de o PL lançar Arruda na corrida ao governo.

Outros cenários

Em um dos cenários testados pelo Quaest, Ibaneis e Arruda têm o mesmo percentual de intenções de votos: 26%. Reguffe soma 12%, empatado com Leila Barros, que tem 11%. Izalci e Leandro Grass têm 4%, cada um. Parente, 2%, e Lucas Salles, 1%. Entre os brancos, nulos e que não pretendem votar, o percentual é de 9%. Outros 4% se dizem indecisos.

Em dois cenários sem Reguffe, Ibaneis atinge 31%, enquanto Arruda aparece com 28% e 30%. Leila registra 13% e 15%. Como único candidato do palanque de Lula e sem Reguffe, Leandro Grass soma 5% ou 6%. A pesquisa foi registrada na Justiça Eleitoral e protocolada sob os números DF-08227/2022 e BR-04749/2022, em 11 de julho.

Segundo turno

No teste do segundo turno, a pesquisa do Quaest aponta também um empate técnico entre Ibaneis, com 41%, e Arruda, com 38%. No levantamento, 19% votariam em branco, nulo ou não votariam e 3% não sabem quem escolheriam. Ibaneis e Arruda também estão bem à frente dos demais candidatos e venceriam os adversários no segundo turno.

Na corrida à reeleição, o governador do Distrito Federal levaria a melhor em disputa com Reguffe, de acordo com a pesquisa. O governador teria 48%, contra 30% de Reguffe.

Contra Leila Barros, com 33%, Ibaneis somaria 46%. Brancos nulos ou não votariam variariam de 20% no primeiro cenário e 18%, no segundo. Contra Leandro Grass, Ibaneis teria 51%. O candidato da federação de Lula atingiria 21%, com 24% que não optariam por nenhum dos dois.

Na hipótese de Arruda disputar o segundo turno, também seria o vitorioso. Teria 46% contra Leila, com 31%; 49% contra Reguffe, com 29%; e 52% no embate com Grass, com 18%. Os votos nulos, em branco ou eleitores que não votariam somariam 20%, 19% e 26%. Os indecisos variam de 3% a 4% em todos os cenários.

4 em cada 10 diz que podem mudar o voto

A pesquisa Quaest mostra que a 11 semanas do primeiro turno das eleições ainda há muitas possibilidades de reviravoltas, já que 61% dos entrevistados disseram que podem ainda mudar a preferência pelo candidato citado. Entre os entrevistados, 38% afirmaram que a decisão pelo voto em um dos concorrentes é definitiva.

Nesta semana, começa o prazo para as convenções partidárias, quando as candidaturas serão oficializadas. A data final para os registros dos nomes de quem vai concorrer é 15 de agosto. Entre os entrevistados na pesquisa, 69% dos que disseram estar com o senador José Antônio Reguffe (União) podem mudar de opinião. Esse percentual chega a 75% no caso dos eleitores da senadora Leila Barros (PDT).

A pesquisa mostrou que mais da metade dos eleitores do governador Ibaneis Rocha (MDB) pode mudar de opinião e escolher outro concorrente. O percentual é de 55%. Também no caso dos eleitores do ex-governador José Roberto Arruda (PL), 51% dos entrevistados afirmaram que a opção não é definitiva.

Também há dúvidas entre os eleitores sobre quem estará no páreo, já que quatro em cada 10 entrevistados sequer sabiam que Arruda está apto a concorrer a novo mandato de governador do Distrito Federal, graças a decisões judiciais que devolveram, em caráter liminar, os direitos políticos.

Entre os entrevistados na pesquisa, 61% disseram que já sabiam da novidade no processo eleitoral e 39% não tinham conhecimento.

Há ainda a questão do conhecimento dos candidatos. O deputado distrital Leandro Grass (PV), da federação PT-PV-PCdoB, é desconhecido de 76% dos eleitores. Rafael Parente (PSB), por 64%.

No fim do mandato de senador e depois de ter exercido o cargo de deputado federal e distrital, José Antônio Reguffe não é conhecido por 36%. O mesmo ocorre com o senador Izalci Lucas (PSDB), que também está no Congresso depois de ter sido federal e distrital, e é apontado como desconhecido por 35% dos eleitores. A senadora Leila Barros não é conhecida por 25%.

Os mais conhecidos são Ibaneis e Arruda. Entre os entrevistados, apenas 2% não conhecem o atual governador. No caso de Arruda, são 4%. Entre os que os conhecem 48%, e 49%, respectivamente, disseram que não votariam nos dois políticos.