Paraíba registra aumento de 15 casos suspeitos de coronavírus em menos de 24 horas

Em menos de 24 horas, o número de casos suspeitos do novo coronavírus (COVID-19) na Paraíba subiu de 33 para 48, um aumento de 15 registros que estão sob investigação. Ainda conforme o boletim da Secretaria de Estado da Saúde (SES), divulgado na manhã desta terça-feira (17), mais um caso suspeito foi descartado.

Com isso, o estado segue com nenhum caso confirmado da doença. No geral, os dados mostram que agora já são 16 casos descartados.

Confira boletim

Governo da Paraíba
Secretaria de Estado da Saúde

Atualização COVID-19 17/03. 6h50.

Paraiba descarta mais um caso suspeito de Coronavírus. Nenhum caso foi confirmado no estado

Os dados divulgados nas primeiras horas da manhã são de 16 casos descartados e 48 em investigação.

Cuidados básicos de higiene podem impedir que coronavírus se espalhe

O novo coronavírus, chamado de Covid-19, é um vírus respiratório e se espalha pelo contato humano, por isso a prática da higiene individual frequente se faz necessária.

Medidas rotineiras do dia a dia podem salvar vidas. Estima-se que, sem a adoção dessas medidas, o número de casos da doença dobre a cada três dias. Portanto, para que a epidemia não evolua, confira abaixo as principais orientações.

– Lave bem as mãos com água e sabão (dedos, unhas, punho, palma e dorso) e seque-as, de preferência com toalhas de papel.

– Higienize as mãos com álcool em gel 70% com frequência.

– Evite aglomerações.

– Reduza o contato social.

– Utilize o álcool gel para higienizar celulares, brinquedos, maçanetas e corrimões.

– Para a limpeza doméstica, aposte na água sanitária para desinfetar superfícies.

– Roupas, inclusive as de cama, de pessoas infectadas devem ser lavadas à parte. Caso não seja possível lavá-las imediatamente, armazene-as em sacos plásticos.

– Evite abraços, apertos de mãos e beijos no rosto.
– Ao tossir, cubra a boca e o nariz com a parte interna do braço ou use lenço descartável (e jogue-o fora imediatamente após o uso).

– Evite levar as mãos aos olhos, nariz e boca.

– As máscaras faciais descartáveis devem ser utilizadas por profissionais de saúde, cuidadores de idosos, mães que estão amamentando e pessoas diagnosticadas com o coronavírus.

– Tenha em sua residência medicamentos para a redução da febre e controle da tosse. O ideal é que eles sejam receitados por um médico, a depender de cada caso.

– Se você apresenta sintomas da doença, procure uma unidade de saúde.

– Pessoas diagnosticadas com o coronavírus serão aconselhadas pelo médico em relação ao atendimento hospitalar e isolamentos mais apropriados.

– Idosos e doentes crônicos devem evitar contato social como idas ao cinema, shoppings, viagens e locais com aglomeração de pessoas.

– Se imunize contra a gripe: a Campanha Nacional de Vacinação terá início em 23 de março, com priorização para idosos e profissionais de saúde. Mesmo que a vacina não seja especificamente contra o coronavírus, protege contra três tipos de vírus (H1N1, H3N2 e Influenza B) e, por isso, ajuda a reduzir a demanda de pacientes com sintomas respiratórios, acelerando o diagnóstico de pacientes com o Covid-19.

E as orientações em relação ao trabalho em áreas com casos confirmados de transmissão comunitária?

A recomendação do Ministério da Saúde para essa situação é a redução de deslocamento para o trabalho, ou seja: reuniões devem ser realizadas virtualmente, viagens não essenciais (avaliadas pela empresa) devem ser adiadas e, quando possível, o trabalho deve ser realizado de casa (home office). Caso não seja possível o home office, é recomendada a adoção de horários alternativos para evitar períodos de pico.

E as recomendações para as instituições de ensino?

O Ministério da Saúde incentiva o planejamento de antecipação de férias para reduzir prejuízos no calendário escolar, também incentivando a possibilidade de utilizar o ensino à distância.
Importante destacar que as recomendações deverão ser adaptadas pelos gestores estaduais e municipais de acordo com suas realidades locais.

 

Comente