Pai de nadador paraibano é preso por atos terroristas em Brasília

Lista com os nomes das pessoas presas nos ataques foi divulgada pelo governo do Distrito Federal desde a terça-feira

Um subtenente reformado do Exército Brasileiro, nascido na Paraíba, está na lista de bolsonaristas radicais presos pela Polícia Federal (PF) em Brasília no domingo (8). De acordo com informações, José Paulo Fagundes Brandão foi reformado em 2019. A lista com os nomes das pessoas presas nos ataques foi divulgada pelo governo do Distrito Federal desde a terça-feira (10).

José Paulo é pai do nadador paraibano Átila Brandão, uma das referências do esporte no estado. O atleta informou que “deve ter acontecido um engano” e que seu pai está na Paraíba. Ele confirmou que o pai é militar, sendo um subtenente aposentado.

A reportagem tentou contato com José Paulo por meio de um telefone disponibilizado por ele mesmo em uma rede social, mas não obteve retorno.

Apesar de ser militar aposentado, José se apresenta nas redes sociais como representante comercial de uma empresa de suplementos alimentares. Ele também fazia postagens demostrando apoio a Jair Bolsonaro e aos ideais do ex-presidente.

Militar aposentado preso em Brasília se apresentava como representante comercial de uma empresa de suplementos alimentares e fazia postagens de apoio a Bolsonaro — Foto: Reprodução/Redes sociais

Militar aposentado preso em Brasília se apresentava como representante comercial de uma empresa de suplementos alimentares e fazia postagens de apoio a Bolsonaro — Foto: Reprodução/Redes sociais

Conforme o Portal da Transparência, José Paulo foi dispensado permanentemente conforme o estatuto dos militares. Ele estava lotado no Ministério da Defesa, no Comando do Exército, na Base Administrativa da Guarnição de João Pessoa. A última remuneração dele registrada no site foi em outubro de 2022, quando recebeu o valor líquido de R$ 8.139,94.

Até esta segunda, mais de 1.500 pessoas que teriam participado da invasão aos prédios públicos e que estavam acampados em frente ao Quartel-General do Exército, em Brasília foram levadas para o ginásio da Academia Nacional da Polícia Federal.

O grupo foi detido durante o desmonte do acampamento, em operação realizada pela Polícia Militar (PMDF) e o Exército, pela manhã.

A ação cumpriu decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, que determinou a tomada de medidas para acabar com acampamentos golpistas após atos terroristas como a invasão do Congresso Nacional, do Supremo Tribunal Federal e do Palácio do Planalto.

Os bolsonaristas que estavam no acampamento nesta segunda ocuparam mais de 50 ônibus e, inicialmente, foram levados para a Superintendência da PF. No começo da tarde, foram encaminhados ao ginásio, onde formaram uma longa fila e passam por triagem. Informações do g1.